Brasil

Fiocruz deve pedir uso emergencial da vacina nesta sexta-feira

A Anvisa tem um prazo de dez dias para analisar os documentos. Caso seja liberado no limite, o aval da agência seria emitido no dia 18 de janeiro

Vacina desenvolvida pela AstraZeneca e Universidade de Oxford: governo brasileiro já investiu quase 2 bilhões de reais na aquisição, transferência de tecnologia e modernização do parque fabril da Fiocruz para a produção local do imunizante (Dado Ruvic/Reuters)

Vacina desenvolvida pela AstraZeneca e Universidade de Oxford: governo brasileiro já investiu quase 2 bilhões de reais na aquisição, transferência de tecnologia e modernização do parque fabril da Fiocruz para a produção local do imunizante (Dado Ruvic/Reuters)

GG

Gilson Garrett Jr

Publicado em 8 de janeiro de 2021 às 06h00.

A Fiocruz deve pedir nesta sexta-feira, 8, o uso emergencial da vacina que desenvolve contra a covid-19 à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O imunizante é desenvolvido em uma parceria com o laboratório AstraZeneca e a universidade de Oxford.

Nos últimos dias, representantes da instituição brasileira se reuniram diversas vezes com a Anvisa para esclarecer pontos do pedido. Na terça-feira, 5, a Fiocruz decidiu pedir o registro definitivo, mas voltou atrás no dia seguinte e vai optar também pela modalidade emergencial.

A diferença entre o uso emergencial e o definitivo é que o primeiro pode ser pedido com a fase 3 de testes ainda em andamento, enquanto que o segundo exige a finalização dos estudos.  No uso emergencial, as vacinas podem ser aplicadas apenas em um grupo específico, como os profissionais de saúde, por exemplo. Já no registro definitivo o imunizante está liberado para a distribuição em larga escala.

Com o pedido feito, a Anvisa tem um prazo de dez dias para analisar os documentos. Caso seja liberado no limite, o aval da agência seria emitido no dia 18 de janeiro. O governo federal pretende iniciar uma imunização no dia 20 de janeiro.

Mas para isso, ainda precisa ter a vacina à disposição no país. Por enquanto, a Fiocruz não tem capacidade de produção da vacina localmente. Um lote com dois milhões de doses prontas será importado e deve chegar ao Brasil nos próximos dias, segundo informação confirmada por EXAME.

Em entrevista coletiva na quinta-feira, 7, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que negocia a compra de vacina com vários laboratórios, mas que a principal aposta é no imunizante da AstraZeneca/Fiocruz pelo baixo custo.

O governo já investiu quase 2 bilhões de reais na aquisição, transferência de tecnologia e modernização do parque fabril da Fiocruz, que produzirá a vacina no país. Segundo ele, o preço por dose é de 3,75 dólares, enquanto outras, como a do Butantan/Sinovac, custam 10 dólares a dose.

Na mesma entrevista coletiva, Pazuello disse que fechou um acordo com o Instituto Butantan e que o governo federal ficará com todas as doses da Coronavac que deverão ser produzidas. A instituição disse que acordo prevê a compra de 46 milhões e a possiblidade de adquirir mais 54 milhões de unidades. O Butantan vai pedir à Anvisa o uso emergencial nos próximos dias.

Eficácia da Coronavac

Também na quinta-feira, 7, o Butantan divulgou que a Coronavac atingiu um resultado de 78% de eficácia contra a covid-19 no estudo com voluntários brasileiros. O imunizante é desenvolvido em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

De acordo com o Butantan, os estudos mostram que a Coronavac é 100% eficaz nos casos moderados e graves e 78% eficaz nos casos leves de covid-19“A vacina vem para diminuir essa carga de doença, a gravidade de casos, impedir que as pessoas desenvolvam a forma mais grave da doença uma vez infectadas. É o que esperamos da vacina”, disse Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan.

A eficácia geral da vacina, aquela que considera todo o grupo de voluntários infectados, porém, não foi divulgada. De acordo com o Butantã, esses dados serão revelados assim que a Anvisa concluir a análise do pedido para uso emergencial.

 

Acompanhe tudo sobre:AnvisaAstraZenecaCoronavírusExame HojeFiocruzMinistério da SaúdeUniversidade de Oxfordvacina contra coronavírus

Mais de Brasil

Ramagem diz que Bolsonaro autorizou gravação de reunião no Planalto sobre investigação de Flávio

Lira diz que investigação contra Ramagem é 'grave', mas indica não ver punição pelo Conselho

Veja transcrição e áudio da reunião entre Bolsonaro e Ramagem sobre investigação de Flávio

Brasil chama embaixador em Buenos Aires para discutir relação com governo Milei

Mais na Exame