Estado do Rio tem menor número de homicídios desde 1991

Dados de julho foram divulgados pelo Instituto de Segurança Pública. Mortes em confronto com a polícia tiveram alta
 (Mario Tama/Getty Images)
(Mario Tama/Getty Images)
A
Agência O GloboPublicado em 20/08/2021 às 21:33.

O Estado do Rio de Janeiro teve o menor número de homicídios para os primeiros sete meses do ano desde o início da série histórica, em 1991. O Instituto de Segurança Pública (ISP) divulgou nesta sexta-feira, dia 20, os índices de criminalidade em julho. No mês passado, foram registrados 249 homicídios, uma queda de 3% na comparação com julho do ano passado. As ocorrências de julho também chegaram ao número mais baixo desde que o índice é registrado. No acumulado de janeiro a julho, foram 1.975 vítimas de homicídio no estado.

Na contramão dos homicídios, as mortes em confronto com a polícia tiveram alta de 90% em julho, na comparação com o mesmo mês de 2020: foram 99 casos este ano, contra 52 no ano passado. No acumulado de janeiro a julho, o crescimento nos registros foram de 9%. Nos primeiros sete meses deste ano, houve 903 mortes, contra 830 no mesmo período de 2020.

  • Assine a EXAME e acesse as notícias mais importante em tempo real.

Entre janeiro e julho, também houve queda nos chamados crimes contra o patrimônio. O total de roubos foi de 75.631, nos primeiros sete meses de 2020, para 71.870, no mesmo período deste ano, uma redução de 5%. O total de furtos teve queda de 4% no período: foram 63.608 registros de janeiro a julho deste ano, contra 66.035 ocorrências nos primeiros sete meses de 2020. O roubo de veículos e os chamados roubos de rua (que englobam os roubos a pedestre, de celular e em ônibus) também caíram entre janeiro e julho.

De acordo com os dados do ISP, em julho foram apreendidas 560 armas em todo o estado, sendo 24 fuzis. O número representa um aumento de 4% em relação ao mesmo mês de 2020. Entre janeiro e julho, houve a apreensão de 4.248 armas foram retiradas de circulação, um crescimento de 9% na comparação com os primeiros sete meses de 2020. No acumulado do ano, a apreensão de fuzis também subiu, passado de 181, nos primeiros sete meses do ano passado, para 240 entre janeiro e julho de 2021.