Escola é acusada de ensinar Física com conteúdo homofóbico

Em livro didático, prótons e elétrons são representados por meninos e meninas. Dois meninos ou duas meninas geram repulsão, menino e menina, atração

São Paulo – A Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) enviou denúncia ao Ministério Público e Ministério da Educação para averiguação de conteúdo homofóbico em material escolar de uma escola em Fortaleza, no Ceará.

De acordo com a carta aberta enviada pela ABGLT, um estudante do 3º ano do ensino médio enviou um e-mail à instituição denunciando o material. O livro didático de Física explicaria a atração e repulsão entre prótons e elétrons usando imagens de meninos e meninas.

Dois meninos (os prótons) sentiriam repulsão entre si, duas meninas (os elétrons, de carga negativa), também. No caso de um elétron e um próton (menino e menina), por sua vez, haveria atração.

O estudante, que pediu para não ser identificado, enviou para a Associação uma imagem do livro. O material é criado pelo próprio Colégio Farias Brito.

Procurada, a escola ainda não se manifestou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.