Doria unifica programas e cria o Bolsa do Povo com repasses de até R$ 500

Proposta de lei será enviada à Assembleia em regime de urgência; investimento estimado é de R$ 1 bi para atender 500 mil pessoas

Com o recrudescimento da pandemia e a pouco mais de um ano das eleições, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), enviará para a Assembleia Legislativa um ambicioso pacote social unificando programas por meio de um cadastro único, ampliando os valores e a abrangência da concessão de benefícios.

A meta é chegar até 500 mil cidadãos para minimizar os efeitos das crises econômica e sanitária. Segundo cálculos do governo, os benefícios do "Bolsa do Povo", por ora, o nome da ação, podem chegar a R$ 500,00 por pessoa em um dos programas.

A estimativa total de gastos com assistência social com esse novo programa subiria para quase R$ 1 bilhão ainda neste ano (a previsão atual gira em torno de R$ 600 milhões). O projeto de lei com a proposta será enviado em regime de urgência.

A unificação dos programas sociais, uma vez aprovada, ficará abrigada na Secretaria de Governo, comandada pelo vice-governador do Estado, Rodrigo Garcia (DEM). Ele será o responsável pela execução e coordenação direta das ações, espalhadas por diferentes áreas da administração estadual.

Está prevista a contratação, em uma das frentes, de 20 mil pais e mães de alunos das escolas públicas para trabalhar, com remuneração de R$ 500,00 por mês, em jornadas de até quatro horas diárias, no sistema de ensino estadual. O governo oferecerá capacitação aos contratados, que ajudarão na administração das escolas. Em linhas gerais, o projeto prevê o aporte de recursos em eixos programáticos que vão da assistência social via transferência direta de renda, como a ampliação do Renda Cidadã, por exemplo, até bolsas de incentivo para atletas.

O projeto prevê ainda que durante os exercícios de 2021 e 2022 poderão ser estabelecidos requisitos, condições, critérios de elegibilidade, valores de benefícios e condicionalidades especiais em decorrência dos efeitos da pandemia da covid-19.

"O governo de São Paulo tem sua responsabilidade social em garantir, além da vacina no braço, a comida no prato. Vacinar sim, mas alimentar também", afirma Doria. Nas ações de transferência direta de renda, estão, além do Renda Cidadã, o Ação Jovem, para jovens de famílias com renda per capita de até meio salário mínimo, e o Aluguel Social, ajuda financeira para locação de imóveis.

"A missão dada pelo governador Doria é reunir num só cartão todos os programas sociais, com gestão unificada e ampliação dos recursos. Isso dá mais agilidade para prorrogar benefícios, ampliar os valores e atender mais pessoas. As famílias têm urgência para garantir seu sustento", afirmou Garcia

A previsão do governo paulista é estar com o Bolsa do Povo em pleno funcionamento a partir de junho. Por isso, o governo deve enviar o projeto ainda hoje e conta com a celeridade de Assembleia Legislativa, onde o governo costuma ter maioria em projetos de seu interesse imediato.

O Renda Cidadã, atualmente, paga R$ 80,00 por mês para cada beneficiário, o mesmo valor desde que o programa foi criado. A partir de agora, esse valor deverá ser aumentado para R$ 100,00, mas esse número ainda não estava definido pela equipe técnica. A ampliação na quantidade de pessoas atendidas também deverá ocorrer.

Os cálculos para a criação do Bolsa do Povo envolveram várias secretarias, como a de Projetos, Orçamento e Gestão, comandada por Mauro Ricardo Costa. Em sua essência, o Bolsa do Povo de Doria resgata o espírito das iniciativas sociais criadas nos governos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2003) e Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010). O tucano implementou importantes ações, que mais tarde acabaram reunidas pelo petista em um programa único.

Com as iniciativas, João Doria, sempre lembrado entre os presidenciáveis, espera diminuir o impacto imposto pelas restrições de circulação de pessoas no Estado, que desde o final de março enfrenta o agravamento da pandemia da covid-19 e, consequentemente, o aperto nas medidas de restrição.

Principais eixos:

- Assistência Social: Ampliação do programa Renda Cidadã.

- Emprego: Criação de Frentes de trabalho

- Qualificação profissional: Ampliação do Via Rápida.

- Educação: Contratação de pais e mães de alunos para

trabalharem nas escolas e ampliação do programa Ação Jovem

- Habitação: Ampliação do programa de aluguel social

- Esporte: Ampliação de bolsas para talentos esportivos.

- Condicionantes: Durante os exercícios de 2021 e 2022 poderão ser estabelecidos requisitos, critérios de elegibilidade, valores de benefícios e condicionalidades especiais em decorrência dos efeitos da pandemia.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.