Brasil

Ditadura, eleições e mágoas: as idas e vindas entre Lula e FHC

Os dois ex-presidentes possuem uma relação de mais de 40 anos, intercalada por períodos de proximidade e de embate

 (Ricardo Stuckert/PR/Divulgação)

(Ricardo Stuckert/PR/Divulgação)

AO

Agência O Globo

Publicado em 21 de maio de 2021 às 17h16.

Última atualização em 21 de maio de 2021 às 17h38.

Ao longo de mais de 40 anos, Lula e Fernando Henrique Cardoso mantêm uma relação permeada por momentos de proximidade, intercalada por embates. Em 1978, ainda durante a ditadura militar, o então presidente dos Metalúrgicos do ABC fez campanha para o professor universitário que tentava uma vaga de senador pelo MDB e chegou a levá-lo às portas das montadoras para pedir votos dos operários.

A proximidade política que o gesto sugeria foi desfeita dois anos depois quando Fernando Henrique, ao contrário do que fizeram outros intelectuais, optou por não ingressar no PT, quando o partido foi fundado por Lula.

Fernando Henrique permaneceu no MDB, já rebatizado então de PMDB, até 1988, quando encabeçou o grupo dissidente que fundaria o PSDB, legenda com viés de centro-esquerda mas longe do radicalismo que o PT representava naquele momento.

Apesar das diferenças, no segundo turno da eleição presidencial de 1989, o PSDB apoiou Lula contra Fernando Collor e Fernando Henrique chegou a subir no palanque do petista em um comício em São Paulo.

Eleito presidente em 1994, o tucano enfrentaria no poder uma dura oposição do PT com setores do partido empunhando até a bandeira do “fora FHC”. Os petistas classificavam o governo de “neoliberal”, rótulo que o tucano rejeita. Em 1998, Lula, assim como havia acontecido quatro anos antes, perdeu a eleição no primeiro turno para Fernando Henrique.

Quatro anos depois, Lula seria finalmente eleito. O petista costuma dizer que Fernando Henrique queria a sua vitória naquela disputa e não a do tucano José Serra. Na visão do petista, o então presidente apostava num fracasso de seu governo para voltar ao poder em 2006.

Durante a transição de governo no final de 2002, Lula, Fernando Henrique e as equipes de ambos mostraram um profundo entrosamento e respeito, o que indicava um possível realinhamento político dos dois partidos. Mas, uma vez no poder, os petistas começaram a falar sobre a “herança maldita” do governo FH, o que reacendeu os ânimos entre as duas siglas. Na crise do mensalão, o primeiro grande escândalo da era petista, o PSDB descartou, porém, defender o impeachment de Lula.

O clima de tensão entre tucanos e petistas permaneceria alto e atingiria o seu auge na eleição de 2014. Derrotado por Dilma Rousseff no segundo turno, Aécio Neves (PSDB) foi ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pedir auditoria para verificar a lisura da votação. Em 2016, os tucanos apoiaram o impeachment.

Quando passou a ser investigado pela Lava-Jato, Lula ficou magoado por nunca ter recebido uma declaração de solidariedade de Fernando Henrique, principalmente quando a força-tarefa voltou os olhos para as doações de empreiteiras para o instituto do petista. A fundação do tucano também recebeu recursos das mesmas empresas.

– O Fernando Henrique sabe que não sou corrupto – chegou a dizer.

O tucano votou nulo no segundo turno da eleição de 2018 entre Fernando Haddad (PT) e Bolsonaro. No ano passado, Fernando Henrique também criticou as falas de Lula após deixar a prisão e disse que ele tinha ilusão de voltar à Presidência sozinho.

Na mesma época, o petista criticou um manifesto em favor da democracia assinado por Fernando Henrique dizendo que ele havia “ajudado a derrubar Dilma porque se acovardou”. O almoço da semana passada aparentemente sela, mesmo que momentaneamente, a paz.

Nos últimos dias, os ataques deram lugar a gentilezas e até a declarações de voto. Lula publicou um tuíte para dizer que votaria em FH se ele estivesse disputando a presidência contra Jair Bolsonaro. O tucano também afirmou que votaria em Lula caso a disputa fique entre ele e Bolsonaro.

Quer saber tudo sobre a corrida eleitoral de 2022? Assine a EXAME e fique por dentro.

    Acompanhe tudo sobre:DitaduraEleições 2022Fernando Henrique CardosoLuiz Inácio Lula da SilvaPolítica no Brasil

    Mais de Brasil

    Ramagem diz que Bolsonaro autorizou gravação de reunião no Planalto sobre investigação de Flávio

    Lira diz que investigação contra Ramagem é 'grave', mas indica não ver punição pelo Conselho

    Veja transcrição e áudio da reunião entre Bolsonaro e Ramagem sobre investigação de Flávio

    Brasil chama embaixador em Buenos Aires para discutir relação com governo Milei

    Mais na Exame