Coronavírus pode voltar a ganhar força no Brasil, diz OMS

Diretor executivo advertiu que, apesar de a pandemia parecer ter estabilizado no país, ocorreram momentos similares em outras nações

Diretor executivo da Organização Mundial de Saúde (OMS), Michael Ryan foi questionado em entrevista coletiva nesta quarta-feira, 17, sobre se a pandemia da covid-19 pode ter estabilizado no Brasil. Segundo ele, o quadro "ainda é muito severo" no País. "Certamente, o aumento do número de casos não está tão exponencial quanto antes. Há alguns sinais de estabilização", afirmou.

Ryan advertiu, porém, que ocorreram momentos similares em outras nações. "Já vimos isso acontecer antes. Pode haver sinais de estabilização por uns dias e a doença voltar a decolar", ressaltou, dizendo que o Brasil vive agora um momento de "extrema cautela".

O diretor executivo da OMS recomendou que o País mantenha um foco em medidas como distância física, reforço na higiene, evitar a aglomeração de pessoas e o apoio à população, sobretudo a mais vulnerável e que enfrenta dificuldades para manter as medidas recomendadas a fim de evitar a propagação do novo coronavírus.

"O momento é de se concentrar nas medidas", enfatizou Ryan, citando também que deve haver um trabalho para garantir que o sistema de saúde continue a suportar o número de pacientes.

Ele ainda terminou por expressar otimismo sobre a capacidade do País para superar essa crise.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.