Começa julgamento de Bola, acusado matar Elíza Samudio

O ex-policial será julgado no Fórum Pedro Aleixo, em Contagem, o mesmo onde Bruno foi condenado a 22,3 anos de prisão e Luiz Henrique Romão, o Macarrão, a 15 anos

São Paulo - Começa nesta segunda-feira, 22, o julgamento do ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, acusado de matar e sumir com o corpo de Eliza Samudio, ex-amante do ex-goleiro do Flamengo Bruno Fernandes de Souza.

O advogado de Bola, Ércio Quaresma, chegou a pedir à juíza Marixa Rodrigues o adiamento do júri, o que ela negou.

Uma das testemunhas da defesa, o jornalista José Cleves, não compareceu, e os advogados solicitaram mais tempo para tentar localizá-lo. Este pedido a juíza acatou e, no momento, todos esperam a testemunha.

O depoimento do jornalista faz parte da estratégia de tentar desqualificar o então chefe das investigações da época do desaparecimento de Eliza, delegado Edson Moreira. Para a defesa, Moreira, que hoje é vereador, tem uma perseguição pessoal com Bola.

O jornalista foi acusado de matar a mulher, mas depois acabou inocentado. O caso também foi conduzido por Edson Moreira.

Bola será julgado no Fórum Pedro Aleixo, em Contagem, o mesmo onde Bruno foi condenado a 22,3 anos de prisão e Luiz Henrique Romão, o Macarrão, a 15 anos.


O julgamento

Com previsões de duração que vão de três dias a uma semana, o julgamento tem início com a apresentação dos pedidos da promotoria e dos advogados e com a formação do conselho de sentença. Na sequência, serão interrogadas as testemunhas.

O Ministério Público, responsável pela acusação, arrolou a delegada Ana Maria dos Santos, que esteve à frente das investigações iniciais do caso; o primo de Bruno Jorge Luiz Lisboa Rosa; o ex-caseiro do goleiro João Batista Alves Guimarães e o ex-colega de prisão de Bola Jailson Alves de Oliveira, que denunciou a suposta existência de um plano do ex-policial para matar a juíza Marixa Rodrigues.

Ele também relatou ter ouvido Bola confessar o crime na cadeia.

A defesa arrolou como testemunhas o corregedor geral da Polícia Civil, Renato Patrício Teixeira; o jornalista José Cleves; a delegada Alessandra Wilke, que trabalhou no caso; e a delegada Ana Maria dos Santos.

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia de Minas, deputado Durval Ângelo, também foi intimado.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.