Cidade de SC distribui ivermectina contra covid-19, mesmo sem comprovação

Entidades de saúde nacionais e internacionais reprovam o uso do medicamento para prevenir o novo coronavírus por falta de evidências científicas

A secretaria municipal de Saúde de Itajaí, em Santa Catarina, começou nesta semana a distribuir gratuitamente o remédio ivermectina como prevenção para o novo coronavírus. O problema é que não há ainda nenhuma comprovação científica de sua eficácia contra a covid-19.

Em nota, a cidade informa que adquiriu os comprimidos com a intenção de tratar 100 mil pessoas. Para isso, a prefeitura recomenda que moradores que não apresentam sintomas e "têm interesse em fazer o tratamento" podem procurar unidades básicas de saúde para que um médico faça a indicação. O custo para aquisição das doses foi de 1,5 milhão de reais.

O município argumenta que a medida foi baseada em experiências de outras cidades brasileiras e do exterior, mas não cita quais. Informa, ainda, que um estudo na Austrália mostrou que a ivermectina possui "atividade antiviral, em teste em vitro".

Há, de fato, um artigo recomendando essa medicação, mas em 22 de junho, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) divulgou uma avaliação afirmando que apesar da ivermectina ter sido utilizada com sucesso “in vitro no tratamento do SARS-CoV-2 em células infectadas experimentalmente”, este estudo não foi revisado ou publicado formalmente.

Diante disso, a OPAS concluiu que os estudos sobre ivermectina apresentam “um alto risco de parcialidade, pouca certeza de evidência e que a evidência existente é insuficiente para chegar a uma conclusão de seus benefícios e danos”.

A OMS também optou por retirar a ivermectina do estudo que patrocina e permanece com a indicação de que ainda não há medicamento que cure, previna ou trate a covid-19.

A Food and Drug Administration, agência de saúde dos Estados Unidos, segue igualmente sem indicar a ivermectina: “Enquanto existem usos aprovados para a ivermectina em pessoas e animais, ela não foi autorizada para a prevenção ou tratamento da covid-19”.

Segundo infectologistas consultados pela reportagem, essa medicação está na mesma classificação da cloroquina: não há comprovação científica. A diferença é que os efeitos colaterais da ivermectina são mais brandos aos pacientes.

No fim de junho, a Sociedade Brasileira de Infectologia divulgou uma nota sobre medicamentos que têm sido utilizados contra o novo coronavírus. Nesse documento, a instituição reforça que o "antiparasitário ivermectina parece ter atividade in vitro contra a SARS-CoV-2, porém ainda não há comprovação de eficácia in vivo, isto é, em seres humanos".

"Muitos dos medicamentos que demonstraram ação antiviral in vitro (no laboratório) não tiveram o mesmo benefício in vivo (em seres humanos). Só estudos clínicos permitirão definir seu benefício e segurança na covid-19", completa a SBI.

A reportagem tentou entrar em contato com a comunicação de Itajaí, mas não obteve retorno até a publicação deste texto. O espaço está aberto para esclarecimentos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.