A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Brasil tem 1.660 mortes por covid-19 em 24h; tendência é de alta

De acordo com dados do Ministério da Saúde, o país tem 313.866 óbitos e 12.573.615 casos confirmados da doença

O Ministério da Saúde divulgou um balanço nesta segunda-feira, 29, com os números da pandemia de covid-19 no Brasil, de acordo com dados das secretarias estaduais de Saúde. O país tem 313.866 óbitos e 12.573.615 casos confirmados da doença.

O balanço, atualizado às 19 horas, mostra que no período de um dia foram registradas 1.660 vítimas e 38.927 testes reagentes para o coronavírus. Há uma semana, o número de mortos estava em 1.383. Ou seja, ainda há uma tendência de alta de óbitos em decorrência da doença no país.

Vacinação

Segundo o levantamento feito pelo consórcio de imprensa, 16.258.743 pessoas já receberam pelo menos a primeira dose da vacina contra a covid-19. Este valor é a soma dos 26 estados mais o Distrito Federal e equivale a 7,68% da população brasileira.

Os dados são compilados pelo consórcio de imprensa que reúne UOL, Folha de S.Paulo, O Estado de S. Paulo, O Globo, G1 e Extra.

Estados não conseguem abrir mais leitos de UTI

O rápido agravamento da pandemia no Brasil pressiona hospitais, que já lidam com a insuficiência de leitos e escassez de remédios. O risco de um apagão de profissionais especializados também é um problema. No caótico ambiente hospitalar, gestores e entidades médicas de pelo menos nove estados — Bahia, Mato Grosso, Pará, Piauí, Rondônia, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e Tocantins — relatam falta de intensivistas, dificuldades no atendimento ou necessidade de abrir rodadas de processos seletivos para contratar temporários.

O Brasil tem 543.000 médicos, mas nem todos preparados para as demandas atuais. "O que precisamos é de profissionais treinados para internação sob cuidados intensivos", diz o presidente da Associação Médica Brasileira (AMB), César Eduardo Fernandes. "E também dos demais profissionais de saúde, porque não é qualquer médico ou técnico que pode trabalhar numa UTI. As equipes de enfermagem têm de ter treinamento para manejar máquinas modernas e os respiradores."

(Com Estadão Conteúdo)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também