Brasil

Câmara de SP restringe venda de cigarro em padarias e supermercados

Pacote de projetos inclui a proibição de consumo de álcool em postos de gasolina e a distribuição de plásticos descartáveis pelo comércio em geral

Cigarros: pacote de projetos de lei proíbe a venda de cigarro em padarias e supermercados de SP (Pedro Fiúza/Getty Images)

Cigarros: pacote de projetos de lei proíbe a venda de cigarro em padarias e supermercados de SP (Pedro Fiúza/Getty Images)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 19 de setembro de 2019 às 08h54.

Vereadores de São Paulo aprovaram nesta quarta-feira, 18, em primeiro turno, um pacote de projetos de lei que proíbe a venda de cigarro em padarias e supermercados, o consumo de álcool em postos de gasolina e a distribuição de plásticos descartáveis pelo comércio em geral. Todos ainda precisam de ser votados em segundo turno para serem encaminhados à sanção do prefeito Bruno Covas (PSDB).

No pano de fundo, havia pressão por parte dos parlamentares contra o presidente da Casa, Eduardo Tuma (PSDB), para que projetos do Legislativo fossem colocados em votação, uma vez que neste ano, a prioridade vinha sendo a aprovação de propostas do Executivo.

Vereadores já se mostravam preocupados com o fato de que chegariam à disputa pela reeleição, no ano que vem, sem propostas relevantes para apresentar à população mais afastada de seus redutos eleitorais.

A busca por holofotes traçada pelos vereadores inclui ainda a instauração, nos próximos dias, de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que vai investigar a qualidade dos serviços prestados pelas concessionárias de serviços públicos, como a Sabesp, a Congás e a Enel, antiga AES Eletropaulo.

O alvo seriam buracos mal fechados e podas de árvores não realizadas pelas empresas. Assim, munícipes com esse tipo de reclamação poderiam ver o problema resolvido por intermédio dos vereadores, o que também renderia dividendos eleitorais.

O pacote de projetos já deveria ter sido colocado em votação há pelo menos duas semanas, mas uma discordância entre o vereador Toninho Vespoli (PSOL) e a Prefeitura, sobre a nomeação de um posto de saúde, fez com que o parlamentar obstruísse as votações durante cinco sessões.

Votações

O texto que proíbe a venda de cigarros em padarias é do vereador Rinaldi Digilio (Republicanos). Ele disse que, mesmo que o projeto seja "impopular", seu objetivo é reduzir gastos da cidade com tratamento médico de fumantes. "Pesquisa mostra que os jovens começam a fumar ao ver a propaganda de cigarros nas padarias", afirmou. Se aprovada, a lei só permitirá a venda de cigarros e derivados em bares, tabacarias e lojas especializadas.

A norma que restringe o consumo de álcool nos postos é um projeto substitutivo a uma proposta apresentada pela vereadora Rute Costa (PSD). "O que foi aprovado não restringe nada. Meu texto proibia a venda nas lojas de conveniência", enquanto que o que foi aprovado foi o consumo do lado de fora da loja, segundo a vereadora. O substitutivo veio após reação de donos de postos. "O fator econômico pesou", disse a vereadora.

Já a lei que proíbe distribuir plástico descartável no comércio é de autoria do vereador Xexéu Trípoli (PV) e conta com apoio do Executivo. É tido como uma segunda etapa de lei, já sancionada, que proíbe a distribuição de canudos plásticos.

Acompanhe tudo sobre:Bruno CovasCâmaras municipaisCigarrossao-pauloVereadores

Mais de Brasil

Brasil chama embaixador em Buenos Aires para discutir relação com governo Milei

'Fiquei surpreso de ver isso pela imprensa', diz Ricardo Nunes sobre queixas de Milton Leite

Você conhece o Hunsrik? Idioma germânico do Sul entra no Google Tradutor

Mais na Exame