Brasil lidera ranking de assassinato de ambientalistas

De um modo geral, a América Latina lidera o ranking de periculosidade para a atuação de ambientalistas, com 87 homicídios

San Francisco - O relatório "How Many More?" da organização britânica Global Witness publicado nesta segunda-feira afirma que o Brasil é o país com maior número de ativistas do meio ambiente assassinados, com 29 homicídios registrados em 2014.

De um modo geral, a América Latina lidera o ranking de periculosidade para a atuação de ambientalistas, com 87 homicídios. Além do Brasil, a Colômbia ocupa o segundo lugar, com 25 mortos, e Honduras o quarto, com 12 assassinatos. Em terceiro lugar estão as Filipinas, com 15 mortes.

A Global Witness também aponta Honduras como o pior país onde se defender a natureza, levando em conta o número de crimes per cápita.

No total, 116 pessoas morreram em todo o mundo por lutar contra projetos que ameaçam a preservação da Terra, 20% a mais que em 2013.

O registro de assassinatos de ativistas na África, Oriente Médio, Ásia central e China é incompleto devido ao limitado acesso que as ONGs têm e à falta de meios de comunicação independentes em muitas destas regiões, segundo o informe.

O estudo destaca que 47 das vítimas fatais (40%) foram de indígenas e enfatiza que os homicídios estão relacionados com projetos de mineração, agrícolas e hidroelétricos.

O relatório conta o caso do líder comunitário Raimundo Rodrigues da Silva que, em 21 de fevereiro de 2014, levou vários disparos no Maranhão e, quando estava no hospital, moribundo, dois homens tentaram entrar no quarto para matá-lo. Raimundo, que acabou sucumbindo aos ferimentos, liderava uma campanha para conseguir a propriedade da terra de sua comunidade.

"O ataque sistemático contra os ativistas também foi acompanhado de protestos violentos, limite das liberdades civis e leis que enfraquecem a proteção do meio ambiente", destaca o documento.

"Alguns governos estão usando leis contra o terrorismo para atacar os ativistas e acusá-los de inimigos do Estado", afirma ainda.

"Os ambientalistas são assassinados com um disparo na cabeça em plena luz do dia, sequestrados, ameaçados ou até tratados como terroristas por se oporem ao chamado desenvolvimento", denuncia Billy Kyte, analista da Global Witness, ao comentar o caso de Honduras.

"Os verdadeiros autores desses crimes, que têm como pano de fundo uma poderosa conexão de interesses estatais e empresariais, estão conseguindo escapar sem serem castigados. É urgente tomar ações para proteger os cidadãos e levar os culpados ante a justiça", acrescenta Kyte.

Diante do aumento do número de ativistas morto pela defesa de sua terra e o meio ambiente frente a grandes corporações ou interesses estatais, é fundamental, segundo o documento, que os governos assegurem que todos os projetos envolvendo construções, transposições e outros tipos de obras garantam às comunidades locais o consentimento verdadeiramente livre, prévio e informado.

Os governos devem garantir, além disso, a proteção dos ambientalistas e processar os autores desse tipo de assassinato, conclui o documento.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.