Bolsonaro nega que interferiu no Coaf e PF para atrapalhar investigações

Filho do presidente, Flávio Bolsonaro era investigado com base em dados do Coaf por movimentações financeiras suspeitas

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) voltou a negar nesta quinta-feira, 22, que interferiu no Coaf, Receita e Polícia Federal para atrapalhar investigações ou proteger a própria família.

"Tudo o que podiam fazer com a minha família já fizeram", disse. Segundo o presidente, foram quebrados sigilos da família e as informações chegaram à imprensa. "Causaram transtorno enorme para família. Vocês sabem como alguns setores do Ministério Público trabalham no Brasil: querem te atingir de uma forma ou de outra. Eu não agrado a essa minoria", declarou.

Sobre a mudança do Coaf ao Banco Central, Bolsonaro disse que o órgão deve estar trabalhando "em poucas semanas" para atender a sociedade. Segundo Bolsonaro, "grande parte das pessoas foi mantida" mesmo com a troca. Ele disse ainda que "ali é lugar de funcionários concursados", apesar de brecha na medida provisória para que o presidente do banco indique pessoas de fora do serviço público.

O presidente reforçou que tem poderes legais para trocar o comando da PF. "Toda vez que troca o governo, se troca o comando da polícia. Isso é natural", disse. "O diretor-geral da PF, conforme definido em lei, quem nomeia sou eu. Se tiver de mudar a gente muda e ponto final. A Receita Federal é a mesma coisa", declarou.

Investigações

O filho mais velho do presidente, Flávio Bolsonaro, é alvo de investigações em ao menos três órgãos. Na principal delas, o Ministério Público do Rio apura se havia um esquema de repasse de parte do salário de funcionários do gabinete de Flávio, prática conhecida como “rachadinha” .

Conforme revelou o jornal O Estado de S. Paulo em dezembro, relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) mostrou que Queiroz movimentou R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017.

Relatório do Coaf também mostrou que Flávio recebeu em sua conta 48 depósitos, num intervalo de cinco dias, feitas em uma agência dentro da Alerj e no mesmo valor: R$ 2 mil. Mas as investigações foram interrompidas quando o presidente do STF, Dias Toffoli, decidiu que todos os processos baseados em dados do Coaf ou da Receita Federal, conseguidos sem autorização judicial, deveriam ser suspensos.

Privatizações

Bolsonaro disse que foi dado o "primeiro passo" para uma ampla privatização de estatais com o anúncio de 17 empresas que devem ter ativos negociados. O presidente disse que a ideia era colocar mais empresas na lista, o que não foi feito pois "haveria reação". Bolsonaro destacou que os Correios entraram no pacote.

Bolsonaro falou em transmissão semanal que é feita pelo presidente nas redes sociais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.