BH fecha comércio a partir das 14h de sábado por causa da alta na ocupação de leitos

A equipe de epidemiologistas do município informou já haver a confirmação da circulação de três novas cepas do novo coronavírus na cidade

Depois de ultrapassar 80% de ocupação de leitos para tratamento de covid-19 nesta sexta-feira, 5, a Prefeitura de Belo Horizonte anunciou o fechamento, a partir das 14h deste sábado, 6, de todo o comércio da cidade, exceto estabelecimentos considerados essenciais - como supermercados, açougues e padarias.

Além da grave crise sanitária, o avanço da pandemia no Brasil também aprofunda seus impactos na economia e nos negócios. Entenda as consequências na EXAME Invest Pro

A internação de quatro crianças com menos de seis infectadas pelo vírus também colocou as autoridades locais em alerta. "Voltamos à estaca zero", afirmou o prefeito Alexandre Kalil (PSD), durante o anúncio da medida.

A equipe de epidemiologistas do município informou já haver a confirmação da circulação de três novas cepas do novo coronavírus na cidade. A P1 (variante de Manaus) P2 (identificada inicialmente no Rio) e a B.1.1.7 (a britânica).

"Mais do que nunca é importante manter as medidas de distanciamento social, higienização das mãos e o uso de máscaras", diz o secretário municipal de Saúde, Jackson Machado. Estudos preliminares apontam que algumas das novas cepas do coronavírus podem ser mais facilmente transmissíveis.

A ocupação de leitos de unidade de terapia intensiva para covid-19 em Belo Horizonte passou de 74,4% nesta quinta-feira, 4 para 81% nesta sexta-feira. "Não vamos esperar a segunda-feira para fechar. Essa doença está vindo por hora, e não por dia", declarou o prefeito.

Segundo um dos integrantes do comitê covid-19 da prefeitura, grupo encarregado de adotar medidas para o controle da doença, Estevão Urbano, este é o pior momento da pandemia. "Estamos em um voo cego. Ninguém sabe exatamente o que está acontecendo", disse.

Sob o argumento dos riscos à economia, o presidente Jair Bolsonaro tem sido forte opositor das medidas de lockdown desde o início da crise sanitária, embora essa seja a recomendação dos especialistas para frear o vírus em cenários de transmissão descontrolada. Na semana passada, ele chegou a ameaçar o não pagamento do auxílio emergencial aos governadores que fechassem o comércio, o que motivou reação dos gestores estaduais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.