Bahia diz que testes da vacina russa contra covid-19 começam em outubro

Governo do estado nordestino fechou um acordo de confidencialidade, que é o primeiro passo para ter acesso à vacina

O governo da Bahia assinou um protocolo de confidencialidade, na terça-feira, 8, para participar da fase 3 de testes da vacina russa contra a covid-19. Este é o primeiro passo para abrir caminho com o objetivo de ter acesso às doses do imunizante e uma eventual produção local. O governo do Paraná também tem um acordo com o instituto russo Gamaleya.

De acordo com o governador Rui Costa (PT), o estado deverá receber 500 doses para testes, assim que obtiver autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A expectativa é que a testagem comece em outubro e seja feita dentro do estado.

“Assinamos um protocolo mais formal e com garantias para ambas as partes e que foi enviado para a Embaixada da Rússia. Nossa expectativa é que em breve possamos receber as 500 doses da vacina. Serão 250 doses da vacina e mais 250 de placebos. Iremos aplicar essas 500 doses para participar dessa linha de pesquisa da vacina russa”, disse o governador em entrevista à Agência de Notícia oficial do governo da Bahia.

Segundo o secretário da Saúde, Fábio Vilas-Boas, as conversas estão adiantadas e o protocolo também permite que, caso os resultados sejam positivos, o estado possa comercializar a vacina. A previsão é que isso seja realizado por meio da Bahiafarma, a fundação estadual de tecnologia e distribuição de medicamentos.

Testes da fase 1 e 2

Na semana passada, os primeiros resultados da vacina foram divulgados na prestigiada revista científica The Lancet. Segundo o estudo, a chamada Sputnik V foi capaz de induzir resposta imune nos voluntários e se mostrou segura nos testes de fase 1 e 2.

Os testes foram feitos de forma randomizada com 76 pessoas em hospitais russos, com idades de 18 a 60 anos, que praticaram o distanciamento social a partir do momento que se voluntariaram para os testes e ficaram no hospital por até 28 dias.

Vacinação no Brasil pode começar nos primeiros meses de 2021

A vacina contra o coronavírus desenvolvida pelo instituto russo Gamaleya pode começar a ser aplicada na população já nos primeiros meses de 2021, segundo o presidente do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar).

O Paraná tem um grande acordo para o início de testagem da fase 3, importação e produção da vacina russa no Brasil. Ainda não há um número exato de quantas doses estariam disponíveis nesta primeira etapa, mas sabe-se que neste momento elas serão importadas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.