Brasil

Joice alega R$ 491 mil de dinheiro público para ataques virtuais

Na CPMI das Fake News, deputada acusou filhos do presidente e apresenta um PowerPoint com mecanismo para disseminar a difamação online

Joice: ela foi convidada pelo senador Rogério Carvalho (PT-SE) (Geraldo Magela/Agência Senado)

Joice: ela foi convidada pelo senador Rogério Carvalho (PT-SE) (Geraldo Magela/Agência Senado)

CC

Clara Cerioni

Publicado em 4 de dezembro de 2019 às 13h44.

Última atualização em 5 de dezembro de 2019 às 06h35.

São Paulo — A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP), ex-líder do governo de Jair Bolsonaro no Congresso Nacional, prestou depoimento nesta quarta-feira (04) na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito das Fake News.

Ela iniciou sua fala com uma apresentação de PowerPoint sobre uma "investigação que começou a fazer após ter sido alvo de ataques coordenados". A parlamentar afirmou que, de acordo com suas apurações, as páginas do presidente Jair Bolsonaro e de seu filho Eduardo somam 1,87 milhão de contas falsas.

Segundo Joice, a rede bolsonarista utiliza "ao menos R$ 491 mil de dinheiro público por ano para espalhar" informações falsas e, cada disparo feito em redes de robôs (como hashtags), custa entre R$ 15 mil e R$ 20 mil.

A deputada denunciou que os funcionários recebem a ordem através do deputado Eduardo e para exemplificar como funciona o esquema, apresentou um slide sobre "o mecanismo".

"Estou usando as redes de Eduardo porque é uma das que mais influenciam nos ataques", começou a explicação, com a imagem abaixo:

(CPMI Fake News/Divulgação)

"Eles escolhem quem será o da vez e essa pessoa é massacrada. Esse grupo não é WhatsApp. É um grupo fechado, que tem senha, dentro do Instagram", prosseguiu. "Esse grupo coordenável da internet alimenta os robôs e grupos de movimentos bolsonaristas, como o Direita SP, que se retroalimentam".

Essa foi a terceira sessão marcada para receber a parlamentar, que cancelou os dois primeiros agendamentos, nos dias 12 e 20 de novembro. Como o requerimento para ouvi-la foi um convite, ela não era obrigada a comparecer.

Joice foi convidada pelo senador Rogério Carvalho (PT-SE) quatro dias depois ser destituída da liderança do governo no Congresso, cargo que ocupava desde o início deste ano.

Na ocasião, Carvalho relatou que, depois de deixar a liderança, a deputada publicou em redes sociais que o presidente Jair Bolsonaro tem uma "milícia virtual" para intimidar críticos, opositores e dissidentes.

A parlamentar também tocou no assunto durante entrevista ao programa Roda Viva, em outubro: “Eu não fazia parte de time de fake news porque toda vez que fui para o ataque, eu coloquei meu rosto".

No ano passado, a parlamentar foi responsável por espalhar conteúdos enganosos que viralizaram, como a da urna que, ao apertar o número “1”, automaticamente mostrava o rosto de Fernando Haddad, candidato do PT em 2018.

A deputada afirmou, ainda, que está “mapeando” perfis que disseminam fake news que ela suspeita serem ligados aos filhos do presidente. Há ao menos 20 perfis do Instagram e 1,5 mil páginas no Facebook ligados a essa operação, segundo ela.

A deputada também disse que no início do governo ouviu falar em uma tentativa da parte de Carlos Bolsonaro de criar uma "Abin paralela", em referência à agência de inteligência, "para que houvesse grampo de celular, dossiês feitos. E isso teria criado um atrito. E o nome foi esse, uma Abin paralela"

Joice não implicou diretamente o presidente em nenhum dos esquemas citados. Em entrevista à tarde, Bolsonaro disse que não estava preocupado com a participação dela:

"Não, zero, chance zero. Inventaram gabinete do ódio e alguns idiotas acreditaram. Outros idiotas vão até prestar depoimento, como tem um idiota prestando depoimento uma hora dessas lá".

A CPMI das Fake News já ouviu duas outras pessoas que romperam com o governo Bolsonaro: o deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) e o general Carlos Alberto dos Santos Cruz, ex-ministro da Secretaria de Governo da Presidência.

Ambos criticaram a influência do círculo pessoal do presidente e questionaram as estratégias de comunicação do grupo.

CPMI

A CPMI das Fake News é presidida pelo senador Angelo Coronel (PSD-BA). A deputada Lídice da Mata (PSB-BA) é a relatora da comissão, que tem o deputado Ricardo Barros (PP-PR) como vice-presidente.

O colegiado foi criado para investigar os ataques cibernéticos que atentam contra a democracia e a utilização de perfis falsos para influenciar os resultados das eleições 2018.

A prática de cyberbullying sobre os usuários mais vulneráveis da rede de computadores e sobre agentes públicos, o aliciamento e a orientação de crianças para o cometimento de crimes de ódio e suicídio também estão entre os objetos de investigação da CPMI, que tem até o dia 13 de abril de 2020 para concluir seus trabalhos.

(Com informações da Agência Senado, Agência Câmara e Reuters)

Acompanhe tudo sobre:CongressoFake newsGoverno BolsonaroJoice HasselmannRedes sociais

Mais de Brasil

Brasil chama embaixador em Buenos Aires para discutir relação com governo Milei

'Fiquei surpreso de ver isso pela imprensa', diz Ricardo Nunes sobre queixas de Milton Leite

Você conhece o Hunsrik? Idioma germânico do Sul entra no Google Tradutor

Mais na Exame