Anvisa avalia nesta segunda-feira pedido de importação da vacina Sputnik V

Reunião atende liminar do STF, a pedido de diversos estados, para que a Anvisa decidisse em 30 dias sobre uma autorização excepcional para importação da vacina russa

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) marcou para esta segunda-feira, 26, às 18 horas, uma Reunião Extraordinária da Diretoria Colegiada para apreciar os pedidos de importação da Sputnik V, vacina russa desenvolvida pelo Instituto Gamaleya contra a covid-19.

"A data da reunião foi marcada em razão do prazo de 30 dias definido pela Lei, e confirmado pelo STF, para que a Anvisa avalie os pedidos de importação de vacinas para covid sem registro", explicou a agência, reforçando que os pedidos foram feitos por alguns estados e municípios.

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), já concedeu liminar a diversos estados para determinar que a Anvisa decidisse em até 30 dias sobre uma autorização excepcional para importação da vacina russa sob pena de liberar seu uso.

Na semana passada, a agência chegou a pedir a suspensão deste prazo ao Supremo sob a alegação — lastreada em laudos produzidos pela sua área técnica — de que havia “pontos críticos” referentes à demonstração de eficácia e segurança da Sputnik V.

Especialistas da Anvisa terminaram no sábado, 24, uma visita de inspeção nas empresas Generium e UfaVita, que participam da produção da vacina Sputnik V.

Os brasileiros estão na Rússia desde sexta-feira, 16, e o relatório com as informações coletadas ajudará na decisão.

Coquetel de anticorpos

Além de decidir sobre a Sputnik V, a Anvisa marcou para a terça-feira, 27, às 15 horas, uma reunião para apreciar o pedido de uso emergencial da "combinação dos medicamentos biológicos banlanivimabe e etesevimabe", do laboratório Eli Lilly do Brasil para o tratamento de pacientes com covid-19.

Trata-se de um tratamento que utiliza um coquetel de anticorpos monoclonais, destinados a adultos e pacientes pediátricos (acima de 12 anos), que pesem mais de 40kg, com quadros leve ou moderado da doença. O uso emergencial do coquetel foi aprovado pela agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos em 9 de fevereiro.

As duas reuniões da Anvisa terão transmissão pelos canais da agência.


O podcast EXAME Política vai ao ar todas as sextas-feiras com os principais temas da eleição americana. Clique aqui para ver o canal no Spotify, ou siga em sua plataforma de áudio preferida, e não deixe de acompanhar os próximos programas.

 

Leia outros destaques desta edição da Desperta

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.