Alemanha pode seguir Noruega e cortar ajuda a Fundo Amazônia

A Alemanha poderá suspender a ajuda ao Fundo Amazônia se o Brasil não reverter o aumento do desmatamento registrado nos últimos dois anos

Brasília - A Alemanha poderá suspender a ajuda ao Fundo Amazônia se o Brasil não reverter o aumento do desmatamento registrado nos últimos dois anos.

Esta é a mensagem que o principal negociador de mudança climática da Alemanha, Karsten Sach, transmitiu a altos integrantes do governo brasileiro com quem se reuniu em visita a Brasília iniciada nesta segunda-feira.

"A Alemanha continuará contribuindo ao Fundo Amazônia somente se os índices de desmatamento diminuírem", disse Sach, em entrevista à Bloomberg em Brasília. "Para continuar gastando dinheiro público, precisamos ter certeza de que os resultados são reais."

A cobrança da Alemanha surge dias após a Noruega anunciar, em plena visita do presidente Michel Temer a Oslo, um corte de 50% nos repasses ao Fundo Amazônia, criado em 2008 para captar recursos destinados à conservação da floresta e prevenção do desmatamento.

Autoridades norueguesas, que doaram US$ 97 milhões ao fundo em 2016, atribuíram a decisão ao aumento do desmatamento no Brasil após oito anos em que prevaleceu melhora nos dados da preservação amazônica.

De agosto de 2015 a julho de 2016, a derrubada da floresta aumentou em 29%, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). A Alemanha, que já contribuiu com mais de US$ 28 milhões, é o segundo maior doador após a Noruega.

Sach, que tem agenda de encontros no palácio do Planalto e nos ministérios da Fazenda e Minas e Energia, entre outros, afirmou trabalhar em "estreita sintonia" com a Noruega.

"A decisão dos noruegueses foi puramente mecânica: se o desmatamento é maior do que o esperado, as remessas baseadas em performance serão menores. E se o governo brasileiro conseguir cortar o desmatamento, então o pagamento voltará a subir."

O representante do governo alemão disse entender que existem pressões contra Temer por parte de influentes lobbies ruralistas, mas ressaltou que políticas ambientais e desenvolvimento sustentável são compatíveis com crescimento econômico.

"A crise e os cortes no orçamento trazem uma oportunidade de o Brasil buscar soluções inovadoras no uso de seus recursos naturais", afirmou Sach.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.