Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Alckmin diz que com 17% dos votos estará no segundo turno

Tucano conta com 8,1% das intenções de voto no cenário sem o ex-presidente Lula, segundo o último levantamento CNT/MDA

São Paulo — O pré-candidato à Presidência do PSDB, Geraldo Alckmin, ainda não pontuou nem dez pontos percentuais das intenções voto, mas está certo de que chegará ao segundo turno das eleições 2018 com pelo menos 17% dos votos. Pelo menos é o que ele disse hoje durante o EXAME Fórum: Combate à ilegalidade, em São Paulo.

“Temos duas tarefas. Uma é chegar ao segundo turno. Acho que nós vamos chegar. Com 17% vamos estar lá. No segundo turno, é uma outra eleição”, afirmou o tucano. Ele acredita que, ainda que seu desempenho nas pesquisas eleitorais esteja aquém do desejado, o cenário eleitoral ficará mais claro conforme as eleições se aproximam.

Na última pesquisa CNT/MDA, divulgada em 14 de maio, o tucano aparece com até 8,1% das intenções de voto no cenário em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fica de fora da disputa. "Claro que todo mundo gostaria de ter um nível de intenções de voto mais alto", disse Alckmin.

O ex-governador de São Paulo atribui seu fraco desempenho nas pesquisas de intenção de voto a um desencanto generalizado com as eleições de 2018. "Não há eleição fácil e é bom que seja assim", disse.

Para ele, seu desempenho eleitoral deve ter uma reviravolta a partir de agosto, quando a campanha começa oficialmente com a propaganda no rádio e na TV e a possibilidade de realização de comícios. "Em agosto, a Copa do Mundo já terá acabado e todos saberão quem são os candidatos. Tem muitos partidos que dizem ter candidato, mas que não vão ter", afirmou.

Reforma tributária

Ao analisar desafios e tarefas que o futuro presidente precisará enfrentar, o ex-governador afirmou que é preciso simplificar o modelo tributário. "Temos que destravar a economia e desregulamentar", afirmou.

Alckmin ponderou que, no Brasil, há muitas regras, leis e exceções que acabam prejudicando o avanço da economia. "Temos uma cultura de cartório, de regras, em que o resultado não interessa", disse.

Por isso, na visão dele, a reforma tributária é uma das grandes mudanças que serão necessárias, para aumentar o investimento das empresas no país. "Não tem crescimento sem investimento e não tem investimento sem uma segurança jurídica e um mínimo de previsibilidade na economia", comentou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também