Ainda há 557 concentrações de caminhoneiros em estradas, diz governo

Ministro Eliseu Padilha admitiu que o ritmo da retomada das atividades dos caminhoneiros não é o que o governo gostaria neste momento

O ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) admitiu nesta segunda-feira, 28, que o ritmo da retomada das atividades dos caminhoneiros é "lento" e ainda não é o que o governo gostaria neste momento. Ele disse que o governo está atuando para "diluir concentrações". "Estamos esperando que o movimento de retomada acelere", declarou o ministro em coletiva de imprensa.

Padilha e outros oito ministros passaram parte da manhã reunidos com o presidente Michel Temer para continuar o monitoramento da paralisação dos caminhoneiros em todo o País.

Padilha afirmou que foram identificados cerca de 1200 pontos de manifestação em rodovias federais, de acordo com dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Desses pontos, 728 foram dispersados e restam 557 concentrações.

Padilha ressaltou que a principal preocupação do governo agora é a "normalização do abastecimento o mais rápido possível". Ao citar as três Medidas Provisórias editadas ontem pelo presidente Michel Temer ontem para atender outras demandas dos caminhoneiros, o ministro avaliou que houve um "avanço considerável" desde então.

Segundo ele, o governo entende que a negociação encerrou ontem porque líderes de diferentes entidades pediram a suspensão do movimento de paralisação após o acordo feito neste domingo. Padilha já havia dito que as negociações estavam encerradas na última sexta-feira, após o primeiro acordo firmado pelo governo, na quinta-feira, mas isso não ocorreu.

"O presidente Temer adotou as medidas com as quais tínhamos nos comprometido. Após o acordo inicial, os caminhoneiros trouxeram mais questões."

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.