Aécio diz que relação com Joesley era pessoal

Acusação de ter pedido 2 milhões de reais ao empresário, o senador também disse estar "absolutamente tranquilo quanto à correção de todos os seus atos"

Brasília - Apontado como alvo de uma gravação em que teria pedido 2 milhões de reais ao empresário Joesley Batista, um dos donos do frigorífico JBS, o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG) disse estar "absolutamente tranquilo quanto à correção de todos os seus atos" e afirmou que sua relação com o empresário era "estritamente pessoal".

Segundo reportagem do O Globo, confirmada pela Reuters com três fontes com conhecimento do assunto, Joesley gravou o pedido de Aécio e a cena foi filmada pela Polícia Federal.

"O senador Aécio Neves está absolutamente tranquilo quanto à correção de todos os seus atos. No que se refere à relação com o senhor Joesley Batista, ela era estritamente pessoal, sem qualquer envolvimento com o setor público", afirma a nota divulgada pelo tucano.

"O senador aguarda ter acesso ao conjunto das informações para prestar todos os esclarecimentos necessários."

Aécio, que até recentemente era apontado como possível candidato à Presidência nas eleições de 2018, já teve o nome mencionado em delações da Lava Jato e seu nome tem perdido força quando se trata da disputa nacional, o que deve se agravar com a acusação desta quarta.

Presidente do diretório municipal do PSDB em São Paulo, o vereador Mario Covas Neto, filho do falecido ex-governador paulista Mario Covas, figura histórica do tucanato, divulgou vídeo em que defende que Aécio deixe o comando nacional do partido.

"Senador Aécio Neves, chegou a hora de o senhor sair da presidência nacional do PSDB", afirma Covas Neto no vídeo.

"O senhor (Aécio) não tem mais condições de presidir o partido. Não dá para alguém que está sendo acusado de uma série de coisas ficar à frente de um partido que foi criado sob a égide da ética, da correção e da boa gestão pública."

Deputado aliado a Temer

A reportagem de O Globo também afirma que Joesley Batista gravou uma conversa com Temer em que o presidente dá aval para a compra do silêncio do ex-deputado federal Eduardo Cunha. Na conversa, Temer também indica ao empresário o deputado Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver um assunto da J&F, holding que controla a JBS.

Loures, de acordo com o jornal, foi filmado recebendo 500 mil reais enviados por Joesley.

Em nota, a assessoria do deputado disse que ele está fora do país e que, quando retornar, o que deve acontecer na quinta-feira, "deverá se inteirar e esclarecer os fatos divulgados".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também