ABGF e Emgea vão ser desestatizadas em julho e em setembro, diz Mattar

Agência Brasileira Gestora de Ativos e Empresa Gestora de Fundos Garantidores e Garantias estão na lista de 17 estatais que serão privatizadas

São Paulo - A agenda de desestatização do governo está a todo vapor. Até fevereiro, já foram vendidos oito ativos que somaram 29,5 bilhões de reais - dos quais 22 bilhões de reais vieram da venda de ações da Petrobras - e a expectativa é que, em julho e em setembro, sejam desestatizadas a Agência Brasileira Gestora de Ativos (ABGF) e Empresa Gestora de Fundos Garantidores e Garantias (Emgea). "A dúvida é a ordem das operações", afirma Salim Mattar, secretário de desestatização e desinvestimento, em evento do BTG Pactual (controlador de EXAME).

No momento, o Congresso está estruturando uma modelagem para atender as expectativas do mercado e do governo sobre a privatização da Eletrobras. "Estamos alinhavando a melhor modelagem para maximizar valor para investidores e zelar o interesse dos cidadãos", acrescenta.

Na lista de desinvestimentos, estão duas empresas que vêm apresentando resistência por parte dos funcionários. É o caso da Casa da Moeda e Dataprev, que enfrentou uma greve entre fim de janeiro e início de fevereiro. "Eles estão apreensivos com seus empregos e estamos dialogando. No curto prazo, pode haver realmente um corte, mas no longo prazo há mais investimentos e deve aumentar o número de empregos. Isso aconteceu com a CSN, Vale e Embraer", comenta. Segundo Mattar, tanto a Casa da Moeda quanto os Correios têm tido mais propostas de estrangeiros do que de brasileiros. Já o Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) e Dataprev têm atraído interesse de brasileiros e de estrangeiros.

Outra frente de desestatização são as unidades de negócios da Caixa Econômica Federal. "Vamos começar com a Caixa Seguridade, a intenção é vender o controle. Isso é bom porque vai gerar mais imposto para o governo e vai fortalecer o setor privado." Para ele, o papel dos bancos públicos é conceder crédito para micro, pequenas e médias empresas.

"No ano passado, ficamos envolvidos na nova previdência, não queríamos queimar capital político, mas neste ano vamos acelerar os desinvestimentos", diz. No total, a expectativa é reduzir 300 ativos que equivalem a 150 bilhões de reais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.