Muito além do bitcoin: conheça os principais criptoativos

Bitcoin é o primeiro nome que vem à cabeça quando se fala em criptomoedas, mas existem mais de 5 mil criptoativos diferentes no mercado financeiro; confira

Grandes esteiras com milhares de cédulas de dinheiro impressas por hora. Papéis especiais tingidos com 17 tintas diferentes, muito cobre e aço. É assim um dia de produção de dinheiro na Casa da Moeda brasileira. A fábrica, que fica no Rio de Janeiro, pode produzir até 3 bilhões de cédulas e 4 bilhões de moedas por ano.

Mas moedas feitas de aço e de cobre já estão sendo substituídas por uma versão digital. As chamadas criptomoedas. Você já deve ter ouvido falar no bitcoin. Embora ele seja o mais conhecido, existem várias outras criptomoedas. Elas nada mais são do que moedas virtuais, utilizadas para fazer pagamentos. Ou seja, possuem a mesma função de comprar mercadorias e serviços que as moedas convencionais.

Quais são os criptoativos que existem hoje no mercado?

As criptomoedas são todo e qualquer ativo digital descentralizado que tenha como única finalidade funcionar como dinheiro. Mais de 5.000 criptoativos surgiram desde que o bitcoin foi criado, e eles se dividem basicamente em três grandes grupos:

  • Criptomoedas
  • Plataformas e protocolos descentralizados
  • Tokens

Participe de evento gratuito sobre o futuro do dinheiro

“Por valor de mercado, as criptomoedas dominam o universo dos ativos digitais e recebem boa parte da atenção da mídia”, explica Nicholas Sacchi, professor do curso da EXAME Academy Decifrando as Criptomoedas.

Sacchi afirma que existem relativamente poucas criptomoedas no mercado hoje, e para o especialista da EXAME Research, a maioria não é investível e, por isso, nesse meio, o bitcoin reina como soberano. O segundo grande grupo são as plataformas e protocolos descentralizados. Eles funcionam mais ou menos como um contrato-padrão passado para um sistema digital.

O último grande grupo são os tokens. Na tradução literal da palavra, token significa fichas e funcionam como símbolos de representação de valor, exatamente como as fichas usadas no pôquer. Mas os tokens não representam apenas valores monetários, podem representar digitalmente bens e ativos financeiros como ações, commodities ou até frações de um imóvel ou obra de arte.

O primeiro ponto que difere as criptomoedas das comuns é que elas são completamente virtuais, não dá para pegar uma criptomoeda na mão. Além disso, existem três outras questões principais. A descentralização, que significa que essas moedas não precisam de um banco central ou do Estado para ser regulamentadas. Dessa forma, suas oscilações de preço ocorrem de acordo com a própria economia por trás da moeda e não por uma interferência estatal, por exemplo.

Também há o anonimato. A maioria das transações com criptomoedas não exige nenhum tipo de informação pessoal para começar a utilizar o serviço. E por fim, o custo zero de transação, porque em regra não tem uma autoridade central para interferir impondo qualquer tipo de taxa às criptomoedas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.