A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Uber pode estar desistindo de sua tentativa de criar carros voadores

Chamada de Uber Elevate, divisão nasceu para criar um meio de transporte aéreo disponível para o aplicativo. Ideia ainda não decolou

Em meados de 2018, a Uber realizou um evento em Los Angeles, nos Estados Unidos, para anunciar que estava investindo em um futuro em que o transporte de passageiros por seu aplicativo não fosse limitado às vias terrestres. A ideia era, ao lado de empresas de aviação, criar um modelo de táxi aéreo que pudesse ser prático e econômico para levar pessoas de um ponto ao outro. Quase dois anos depois, o plano não decolou. E parece que nem ao menos vai ter a chance de fazer isso.

De acordo com o Axios, a Uber está vendendo a divisão Elevate para a Joby Aviation. Com mais de 720 milhões de dólares em aportes captados, a startup foi fundada em 2009 e pertence a JoeBen Bevirt. A companhia atua no desenvolvimento de aeronaves elétricas e de uso de pessoal. A Joby era uma das empresas que estava atuando na criação de um veículo voador para a Uber e previa colocar um veículo no ar até 2023.

O plano da Uber de levar o transporte de passageiros para o ar foi descrito ainda em 2016. O evento oficial, dois anos depois, oficializou a tentativa. Nos meses que se passaram, diversos protótipos de carros voadores autônomos e elétricos foram apresentados e viagens de teste foram realizadas. Em uma destas viagens, um trajeto de mais de duas horas de carro pela cidade de São Paulo foi feito em 18 minutos com a aeronave.

A possibilidade de vender sua operação para outra empresa pode causar certa surpresa no mercado. Em outubro, a Embraer lançou uma subsidiária para atuar na criação destes carros voadores. A empresa brasileira é parceria da Uber no projeto Elevate. Chamada de Eve, a startup vai atuar de forma independente e será dirigida por André Stein, que atuava como responsável pela área de estratégia da EmbraerX, braço de inovação da fabricante brasileira de aeronaves.

A Joby Aviation atuou durante anos sem chamar muita atenção. A empresa só foi “descoberta” em 2018, quando captou 100 milhões de dólares em uma rodada de investimento liderada pela Intel Capital. Neste ano, a empresa levantou 590 milhões de dólares em uma injeção de capital liderada pela Toyota e que contou com a participação de grupos de investimento como Baillie Gifford, Capricorn Investment Group, Sparx Group, entre outros.

Mesmo assim, a Joby ainda mantém seus planos em segredo. Ao contrário de outras fabricantes, como a própria Embraer, que já deram mais pistas de suas aeronaves, a startup americana manteve seu projeto escondido. Nas poucas renderizações mostradas pela companhia, era possível observar uma espécie de drone gigante com 12 rotores e espaço na cabine para quatro passageiros. A Joby, porém, já informou que está trabalhando em algo totalmente novo.

Como nada ainda foi divulgado oficialmente, é possível apenas supor os motivos pelas quais a Uber estaria vendendo a divisão. O principal deles está relacionado a dinheiro. Em suas últimas declarações, Dara Khosrowshahi, presidente da Uber, chegou a dar prazos para que a companhia passasse a registrar lucro em seus balanços trimestrais. A previsão mais recente, feita em junho, era de que isso aconteceria em 2021. Fundada em 2009, a Uber nunca terminou um trimestre com números positivos.

Khosrowshahi sabe que precisa dar uma resposta aos investidores, por mais que a companhia tenha informado até mesmo em seu prospecto de abertura de capital que poderia nunca deixar de ser uma empresa deficitária. Em 2020, com a pandemia do novo coronavírus, a companhia sofreu um duro golpe em suas receitas na divisão de transporte de passageiros. O que salvou o ano foi o serviço de entrega de refeições, Uber Eats, que cresceu em larga escala.

Em números mais recentes, a Uber registrou receita de 3,1 bilhões de dólares no terceiro trimestre deste ano. O valor é 18% menor do que o registrado no mesmo trimestre de 2019. Em relação às viagens, o faturamento de 5,9 bilhões de dólares é 53% menor do que o obtido no ano passado. No delivery, alta de 134% no período de três meses, com faturamento e 8,5 bilhões de dólares.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também