Tchau, Facebook: 3 redes sociais que não coletam dados

Pixelfed, Mastodon e MeWe são algumas opções de redes sociais que priorizam a privacidade do usuário

A mudança nos termos do WhatsApp tem levado usuários a questionar o compartilhamento de dados com as redes sociais. A falta de privacidade vem gerando descontentamento e, agora, alguns usuários estão instalando aplicativos e serviços que não coletam dados pessoais, como o Telegram e o Signal, rivais do WhatsApp.

Até o criador da World Wide Web (WWW), Tim Berners-Lee, trabalha na criação de uma internet descentralizada. Ele está desenvolvendo a plataforma gratuita Solid, que permite que qualquer usuário tenha controle completo dos seus dados. 

Em uma entrevista ao New York Times, Berners-Lee disse que seu objetivo é voltar à web que ele originalmente desejava. Enquanto o plano do pai da WWW se desenvolve, existem algumas redes sociais que já tentam priorizar a privacidade do usuário.

A EXAME selecionou algumas das principais  redes sociais alternativas que não coletam dados. Conheça-as abaixo e veja como funcionam: 

Mastodon

O Mastodon já é uma das maiores redes sociais descentralizadas, com mais de 4 milhões de usuários.

Ela é muito similiar ao Twitter e ao Tumblr, mas seu código aberto permite que qualquer usuário crie seu próprio servidor (aberto ou privado) sobre qualquer tema. No final, a rede social acaba sendo um conglomerado de comunidades e os usuários são livres para migrar entre elas, estabelecendo novas conexões independente da sua "turma".

O feed é cronológico, sem anúncios e sem qualquer influência dos algoritmos. Nele, você pode ver os "toots", nome dado as postagens dos usuários, que têm limite de 500 caracteres.

"Para mim, é como se o Facebook ou o Twitter tivessem uma versão amigável, onde posso discutir coisas com pessoas ao redor do mundo sobre tudo que elas amam", disse um usuário na página inicial do site.

MeWe

Alternativa ao Facebook, a MeWe se autointitula como a rede social da próxima geração. Sem anúncios ou coleta de dados, outro atrativo da plataforma é o controle que o usuário tem com o seu feed de notícias. O algoritmo não controla ou filtra a ordem das postagens e tudo vem de forma cronológica, como o Instagram fazia antigamente.

Outras ferramentas divertidas da rede social são postagens com mensagem de voz, gerenciamento das suas publicações antigas por meio de uma nuvem pessoal e perfis customizados para cada grupo que o usuário ingressa (existem mais de 226.000 grupos abertos).

Acesse o site ou instale o aplicativo pela App Store ou Play Store.

Pixelfed

Para quem está cansado do Instagram, o Pixelfed pode ser sua nova rede social. Assim como o Mastodon, ela tem código aberto e o usuário pode criar ou entrar em qualquer servidor (um deles, por exemplo, é o pixelfed.social).

Publicação de fotos, filtros e a possibilidade de criar álbuns tornam o Pixelfed bem semelhante ao Instagram, mas seu foco em privacidade, falta de anúncios e posts em ordem cronológica podem ser um alívio para quem está cansado das ferramentas da rede social de Zuckerberg.

Sabia mais sobre o Pixelfed aqui.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também