Perfil no Facebook defende assassinato de presos palestinos

A página continua no ar e o Facebook se limitou a responder que analisaria o conteúdo do perfil

Uma página do Facebook que propõe a execução de presos palestinos a cada hora em resposta ao desaparecimento a uma semana de três estudantes israelenses de um instituto rabínico na Cisjordânia ocupada já foi curtida por 20 mil pessoas.

Um grande número de internautas, no entanto, denunciou a página por seu conteúdo ofensivo e racista. Até agora, no entanto, a página continua no ar e o Facebook se limitou a responder que analisaria o conteúdo do perfil.

A página foi criada na sexta-feira passada, quando os rumores sobre o suposto desaparecimento dos três jovens - Eyal Yifrachm, de 19 anos, Naftali Frenkel, de 16, e Gilad Shaar, de 16- se confirmaram, e em apenas três dias o perfil atingiu mais de 15 mil seguidores.

Com as palavras "Hotfim? Hotfim!" (Sequestrados? Sequestrados!), expressão em hebraico que em linguagem coloquial também significa "castigo", a página tem a imagem em azul dos três estudantes e um alvo em vermelho com os rostos de prisioneiros palestinos.

Várias mensagens no perfil, escritas em hebraico, defendem a execução de palestinos presos em Israel acusados de assassinato e atos de terrorismo.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.