Na China, bitcoin deve gerar 130 milhões de toneladas de CO2 até 2024

Encarado como uma das saídas à dolarização dos mercados, o Bitcoin pode se tornar um problema ambiental para o gigante asiático

No final de março, a China confirmou que iria encerrar todas as instalações de mineração de criptomoedas na região da Mongólia para reduzir os altos gastos de energia. O país é conhecido por ter uma dos custos de eletricidade mais baratos do mundo, e isso atrai muitos mineradores de bitcoin para operarem lá.

No entanto, o governo chinês pode ter que gerenciar ainda mais o número de servidores de mineração, considerando as estimativas de poluição que a prática resulta. Segundo um estudo publicado pela revista Nature nesta última terça-feira (06), a extração da moeda digital no país asiático deve emitir 130 toneladas métricas em emissões de carbono até 2024. 

O levantamento aponta que a matriz energética composta por 40% de usinas termoelétricas, alimentadas principalmente com carvão, torna todo o processo carissímo ao meio ambiente.

E, ao considerar o funcionamento do bitcoin, que precisa cada vez mais de computadores potentes para processar as transações da moeda digitial, multiplicam-se exponencialmente os centros de mineração junto do consumo de energia.

Para se ter uma ideia, cerca de 80% de todas as transações de bitcoin são processadas na China, e se o plano daquele país é diminuir pela metade a poluição atmosférica até 2030 e atingir a neutralidade de CO2 até 2060, recomenda-se, por hora, puxar algumas tomadas. 

 

 

 

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.