• AALR3 R$ 20,13 -0.20
  • AAPL34 R$ 68,52 1.72
  • ABCB4 R$ 16,65 0.79
  • ABEV3 R$ 14,21 1.21
  • AERI3 R$ 3,75 5.04
  • AESB3 R$ 10,92 0.74
  • AGRO3 R$ 31,36 0.58
  • ALPA4 R$ 22,15 4.04
  • ALSO3 R$ 18,85 -0.79
  • ALUP11 R$ 26,51 -2.07
  • AMAR3 R$ 2,58 1.57
  • AMBP3 R$ 32,48 4.47
  • AMER3 R$ 21,50 -1.78
  • AMZO34 R$ 3,43 5.09
  • ANIM3 R$ 5,66 3.47
  • ARZZ3 R$ 81,38 2.42
  • ASAI3 R$ 16,30 3.69
  • AZUL4 R$ 20,95 4.38
  • B3SA3 R$ 12,43 4.37
  • BBAS3 R$ 37,45 -0.32
  • AALR3 R$ 20,13 -0.20
  • AAPL34 R$ 68,52 1.72
  • ABCB4 R$ 16,65 0.79
  • ABEV3 R$ 14,21 1.21
  • AERI3 R$ 3,75 5.04
  • AESB3 R$ 10,92 0.74
  • AGRO3 R$ 31,36 0.58
  • ALPA4 R$ 22,15 4.04
  • ALSO3 R$ 18,85 -0.79
  • ALUP11 R$ 26,51 -2.07
  • AMAR3 R$ 2,58 1.57
  • AMBP3 R$ 32,48 4.47
  • AMER3 R$ 21,50 -1.78
  • AMZO34 R$ 3,43 5.09
  • ANIM3 R$ 5,66 3.47
  • ARZZ3 R$ 81,38 2.42
  • ASAI3 R$ 16,30 3.69
  • AZUL4 R$ 20,95 4.38
  • B3SA3 R$ 12,43 4.37
  • BBAS3 R$ 37,45 -0.32
Abra sua conta no BTG

Lidiane Jones, da Salesforce: a tecnologia trouxe o cliente para o centro

Com mais de 20 anos de carreira dedicados à inovação, a paulistana Lidiane Jones, vice-presidente na Salesforce, viu a internet se transformar e os negócios globais se digitalizarem. Nessa entoada, a executiva acredita que hoje as mudanças, por fim, se voltam ao bem-estar do consumidor
Lidiane Jones, da Salesforce: da Zona Leste de São Paulo para a cadeira de gerente-geral de experiências digitais da Salesforce (Reprodução/Foto)
Lidiane Jones, da Salesforce: da Zona Leste de São Paulo para a cadeira de gerente-geral de experiências digitais da Salesforce (Reprodução/Foto)
Por Da redaçãoPublicado em 05/05/2022 11:46 | Última atualização em 05/05/2022 12:05Tempo de Leitura: 3 min de leitura

É possível dizer que a Salesforce, a maior empresa do mundo de gestão de relacionamento com o consumidor, não é só um negócio de software. Pois apenas softwares não a manteria em uma crescente expansão que deve levar suas receitas na casa dos US$ 26 bilhões, com uma prospecção de aumento de quase 25% em relação a 2021.

Por de trás dessa força, há facetas humanas preocupadas como que está na última ponta nas relações de compra e venda. A paulistana Lidiane Jones é uma dessas. Vinda da Zona Leste de São Paulo, trilhou um caminho de sucesso por empresas como Ford e Microsoft e hoje é vice-presidente na SalesForce.

Para ela, o ponto chave no correr dos desafios recentes da comunicação corporativa tem sido a humanização do contato, que viu na pandemia os novos recursos de nuvens, de marketing digital e inteligência artificial trazerem o cliente ao centro da conversa.

Com essa movimentação, as ações da Salesforce subiram e a alta demanda deste mercado criou um cenário favorável para o ecossistema de parceiros da Salesforce no Brasil.

Por aqui, essas tecnologias ajudam as equipes de atendimento e os times de vendas a criar experiências mais personalizadas que, por fim, impulsionam relacionamentos duradouros.

Com isso, hoje a Salesforce avança sobre a esfera offline, principalmente em aplicativos móveis, para tornar mais fácil de usar informações relevantes e inovações que criam esse perfil de dados apurados do cliente.

Em entrevista à Exame, a vice-presidente executiva e gerente geral da Salesforce Digital Experiences, destacou: “Não investir nessa área coloca o seu negócio em risco”. 

O cliente está no centro, mas como isso ocorreu na Salesforce?

Eu acabei vindo aqui para a Salesforce porque, na época, era uma empresa que demonstrava estar interessada em aproveitar mais e melhor o relacionamento que era estabelecido com cliente. Hoje entendo que, mais do que softwares, a experiência que ocorre nessa relação já se mostrou ser tão importante quanto o resto. Mas quando isso era um projeto que corria internamente, não dava para visualizar o tamanho dessa ideia. Mas hoje é notável até nas pequenas coisas. Se você vai no site da Salesforce você vê que a gente quer que cliente comece a entender a experiência do produto antes mesmo de recebê-lo. É só um exemplo, mas isso se estende em outros pontos de contato.

E como isso tem avançado no Brasil?

Eu acho que o consumidor brasileiro tem muita atitude na tecnologia e agora a gente tem essa oportunidade de expandir esse conceito de experiência de clientes no centro que tanto trabalhamos. Uma parceria que destaco é a que estamos fazendo com a Natura, que hoje aplica soluções da Salesforce em inteligência artificial para áreas como marketing, vendas e e-commerce. Para você ter ideia, minha mãe era promotora de vendas da Natura, então hoje saber que a experiência de vendedoras como ela é levado a um nível nunca antes experimentado me alegra bastante.

Qual é o próximo passo?

O objetivo agora é ajudar as empresas a criar conexões mais perfeitas entre as experiências de compras online e físicas. A Salesforce também quer criar ferramentas mais especializadas para determinados setores. Nesse sentido é integrar o online com o offline, criando mais dinamismo para entender esses clientes que são muito mais complexos do que imaginamos.