Acompanhe:

Google manipula buscas na internet, afirma estudo

Um estudo realizado pelo Yelp revelou que o Google escolhe os resultados de busca que o usuário vai ver de modo a privilegiar seus próprios serviços

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Buscas: o algoritmo do Google está beneficiando os serviços da própria empresa, afirmam dois especialistas
 (Damien Meyer/AFP)

Buscas: o algoritmo do Google está beneficiando os serviços da própria empresa, afirmam dois especialistas (Damien Meyer/AFP)

M
Marina Demartini

Publicado em 2 de julho de 2015 às, 09h41.

São Paulo – Se você está procurando por produtos ou serviços oferecidos pelos concorrentes do Google, a chance de você encontrar essas ofertas apenas no final da página de resultados de buscas é grande.

Pelo menos é o que afirma um relatório de 160 páginas escrito pela Comissão Federal do Comércio dos Estados Unidos e revelado pelo Wall Street Journal. Segundo o estudo, o algoritmo do Google prioriza conteúdo próprio da empresa nos resultados de busca dos usuários em detrimentos dos serviços dos competidores.  

Um dos pesquisadores que contribuiu para o estudo foi o jurista Tim Wu. Em janeiro de 2013, ele escreveu um texto para o site New Republic elogiando o Google. A empresa havia saído ilesa de um processo questionando seu serviço de buscas. Para Wu, ela vencera a disputa por ter obedecido a lei.

Após dois anos desse testemunho, parece que Wu mudou de ideia. O que é mais surpreendente e chocante é que o Google não está apresentando seu melhor produto, disse o jurista ao site Re/Code. Na verdade, ele está apresentando uma versão pior do produto para os consumidores, finalizou.

Vale ressaltar que Wu e o coautor da pesquisa Michael Luca, professor da Universidade de Harvard, foram pagos pelo Yelp para realizar o estudo. Os sites mais afetados pela ação do Google são os de comparação de compras, restaurantes e viagens, como o próprio Yelp.

Como descobriram isso?

A pesquisa utilizou um plug-in desenvolvido pelo site de avaliações Yelp, um dos rivais do Google na área de busca de restaurantes e outros estabelecimentos comerciais. O programa recriou a página de buscas do Google sem o OneBox, uma ferramenta que emparelha listas do Google+ e mapas do Google Maps.

O estudo testou essa versão da página de buscas contra a página original do Google com 2.690 pessoas. Segundo, a pesquisa, os participantes clicaram 45% mais na versão com plug-in do Yelp. Para os pesquisadores, o resultado evidencia que a operação realizada pelo Google nega os melhores resultados para os consumidores.

Apesar de o estudo não divulgar sua metodologia em detalhes, a sua abordagem estatística parece correta. No entanto, o Google pode argumentar que o foco da pesquisa em número de cliques é muito limitado para ter uma métrica correta sobre a preferência do consumidor.

Afinal, os entrevistados podem ter clicado mais no mapa do Yelp, mas isso não significa que eles conseguiram encontrar o que estavam procurando. O documento foi apresentado durante o Antitrust Enforcement Symposium, realizado no fim de semana na Universidade de Oxford, no Reino Unido.

A pesquisa foi revelada em uma época complicada para o Google. A empresa se prepara para lançar sua resposta à investigação da União Europeia, que se baseia em alegações semelhantes sobre o produto comparação de compras do Google. Segundo Wu, o estudo foi enviado à Comissão Europeia. 

A EXAME.com entrou em contato com a assessoria do Google para saber seu posicionamento sobre o assunto. A declaração na íntegra pode ser lida logo abaixo:

"Isso não é novidade. Nos últimos cinco anos, o Yelp vem fazendo este tipo de argumento para reguladores e requerendo um melhor posicionamento nos resultados da busca. Este último estudo foi baseado em uma metodologia falha, que focou somente em alguns tipos de resultados escolhidos a dedo. No Google, nós estamos focados em entregar os melhores resultados para nossos usuários".

O vídeo abaixo (em inglês) explica como o Yelp fez o estudo:

https://youtube.com/watch?v=k9UqqmIJW4g%3Frel%3D0%26controls%3D0%26showinfo%3D0

Últimas Notícias

Ver mais
Entenda por que Bill Ackman investe no Google (e não na Nvidia)
seloMercados

Entenda por que Bill Ackman investe no Google (e não na Nvidia)

Há um dia

Boa Safra lança oferta de até R$ 400 milhões para financiar crescimento
Exame IN

Boa Safra lança oferta de até R$ 400 milhões para financiar crescimento

Há um dia

Nada de Google: geração Z faz buscas no TikTok e no YouTube
Tecnologia

Nada de Google: geração Z faz buscas no TikTok e no YouTube

Há 2 dias

Google lança chip de IA e se firma na corrida tecnológica
Inteligência Artificial

Google lança chip de IA e se firma na corrida tecnológica

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais