“Foco dos celulares da Nokia é democratizar a tecnologia”, diz presidente

Em entrevista exclusiva a exame, Florian Seiche, presidente da HMD Global, fala sobre a volta dos smartphones da Nokia ao país, agora, com sistema Android

Florian Seiche é presidente da HMD Global, empresa por trás da volta da Nokia ao mercado de celulares. A companhia se aliou à Multilaser para trazer seus primeiros dispositivos ao Brasil em maio deste ano. O primeiro celular lançado no Brasil por meio da parceria entre as empresas é o Nokia 2.3, um smartphone com preço de menos de mil reais que busca ganhar mercado para a marca Nokia neste ano. Para Seiche, o mercado brasileiro é prioridade na América Latina.

O que motivou a HMD Global a trazer de volta os dispositivos da Nokia ao mercado brasileiro? 

As Américas são mercados prioritários para a HMD desde o seu início. Em 2019, nosso foco na região resultou em marcos importantes, como nossa parceria com as principais operadoras do mercado dos EUA e nossa expansão nos mercados e canais da América Latina. 

O Brasil é um mercado globalmente estratégico com enorme potencial para nós e o único mercado importante em que ainda não estávamos presentes. Como já vimos em outros países, no Brasil, a Nokia ainda é reconhecida como uma das marcas de celular da mais alta qualidade. 

Segundo a IDC, no mercado brasileiro, os dispositivos intermediários, com preços entre R$700 e R$1.099, foram os mais vendidos em 2019: 22,1 milhões de unidades, o que representa quase a metade dos 48,6 milhões vendidos no mercado como um todo. E isso demonstrou um aumento de 33% em relação a 2018. Esse cenário representa uma excelente oportunidade para oferecermos smartphones acessíveis e de alta qualidade que trazem tudo o que se espera de um telefone Nokia.   

A nostalgia da marca ajudará a empresa a se consolidar? 

Os telefones Nokia historicamente tiveram uma resposta fantástica no Brasil. Sabemos que muitos de nossos fãs no país estavam esperando pacientemente para colocar um de nossos dispositivos em suas mãos e, finalmente, agora podem. Nosso objetivo é exceder as expectativas deles e proporcionar a melhor experiência do Android para celulares Nokia, além de apresentar-nos a novas gerações que talvez não estejam tão familiarizadas com a marca, mas temos certeza de que elas também encontrarão algo para amar nos dispositivos inovadores e de alta qualidade. 

Nosso foco é democratizar a tecnologia, criando produtos que duram, mudando o paradigma da indústria, oferecendo uma experiência móvel segura e cada vez melhor. Além disso, fiel à nossa herança nórdica e ao DNA da marca Nokia, trazemos dispositivos que elevaram a barra em termos de design, qualidade e durabilidade. 

Por que a empresa atua no país com uma empresa brasileira? 

A HMD Global é uma empresa construída sobre parcerias. Desde a nossa criação, trabalhamos sob um modelo de parceria estratégica que nos permite trabalhar com os melhores players do setor, como Google, Zeiss, Qualcomm e MediaTek. Nosso modelo de parceria também conta com a experiência de empresas locais, pois seu profundo conhecimento do mercado e relações comerciais bem estabelecidas com os principais clientes são ativos valiosos para posicionar nosso portfólio localmente.  

Por que a empresa expandiu sua internacionalização durante a pandemia de coronavírus? 

Estamos planejando cuidadosamente nossa chegada ao Brasil há um tempo. É um mercado estratégico para a HMD, e mesmo em meio à situação que estamos enfrentando atualmente, fizemos grandes esforços para disponibilizar nosso primeiro smartphone Nokia Android no país para nossos fãs que esperavam pacientemente por esse momento.   

O que o mercado global de eletrônicos pode aprender com as lições deixadas pela pandemia?

Não há dúvida de que o impacto contínuo da covid-19 está afetando os mercados globais. A prioridade deve permanecer no controle e na contenção da propagação do vírus, especialmente nas regiões que mais sofreram.  

Nossa indústria, em particular, está em processo de adaptação, ajustando-se a essa nova realidade. Uma das lições mais relevantes que essa situação está nos deixando é a importância de democratizar o acesso à tecnologia e à conectividade, que foram fundamentais para continuar trabalhando e aprendendo em casa, para permanecer conectado aos nossos entes queridos, para se manter informado e entretido, para compras online e, em geral, para ficar seguro.  

Estamos mais comprometidos do que nunca em levar as melhores experiências de tecnologia para mais pessoas – incluindo smartphones acessíveis e de alta qualidade – para garantir que elas possam permanecer conectadas.

Como a HMD vê a rivalidade de marcas chinesas de smartphones como Xiaomi e Huawei? 

Queremos trazer nossa nova perspectiva para o segmento intermediário no Brasil, que é um dos que mais cresce no mundo. Estamos mudando o paradigma da indústria, oferecendo telefones que realmente melhoram com o tempo, graças à nossa proposta exclusiva para Android, que nos permite oferecer até três anos de atualizações mensais de segurança e até dois anos de atualizações do sistema operacional. Nenhum outro concorrente pode oferecer isso, especialmente para dispositivos de entrada. Outro de nossos principais diferenciais é que estamos trazendo experiências premium para smartphones a preços acessíveis.   

Como o 5G pode mudar o conceito de smartphone como o conhecemos hoje? 

O 5G será transformador para muitos setores e também elevará a experiência móvel de maneira significativa. É por isso que estamos investindo no 5G e temos uma estratégia muito focada. Nossa visão é trazer 5G para todos. 

Em março passado, lançamos o Nokia 8.3 5G, nosso primeiro smartphone 5G. Nos orgulhamos de ter criado um smartphone 5G verdadeiramente global – mesmo os dispositivos que custam o dobro do Nokia 8.3 5G não apresentam tantas bandas NR, o que significa que eles não terão serviço 5G em todas as áreas que o Nokia 8.3 5G terá

Vemos uma oportunidade única para levar o 5G a um segmento mais acessível e estamos trabalhando em estreita colaboração com nossos parceiros para garantir que, quando o país estiver pronto para o 5G, também estaremos prontos.   

Na volta ao mercado, como manter a filosofia da Nokia, conhecida pela resistência de seus dispositivos?

Nossa herança finlandesa e o DNA da marca Nokia estão inerentemente refletidos em cada um de nossos dispositivos, independentemente da faixa de preço. Procuramos elevar o nível em termos de design, qualidade e durabilidade, e fazemos isso escolhendo cuidadosamente nossos materiais e comprometendo-nos com os mínimos detalhes. 

Sempre acreditamos na criação de telefones celulares realmente feitos para durar. É por isso que, além de buscarmos a excelência em termos de hardware, também nos concentramos em garantir que nossos telefones melhorem com o tempo, graças à nossa parceria exclusiva com o Google.

A HMD acredita em possibilidades que vão além do smartphone?  

Por enquanto, nosso portfólio global inclui smartphones, feature phones e acessórios. Estamos especialmente focados em levar a experiência dos telefones Nokia a uma ampla gama de pessoas, com um portfólio diversificado, se eles estão procurando uma experiência básica, porém rica, ou uma desintoxicação digital com nosso conjunto de telefones originais, ou se estão recebendo seu primeiro smartphone ou se eles estiverem procurando por um dispositivo criativo. 

Além disso, recentemente entramos em uma nova categoria de serviço com o lançamento do HMD Connect, nosso próprio serviço de roaming de dados seguro e acessível, destinado a manter as pessoas conectadas, mantendo o controle total de seus planos de dados. Este anúncio foi um passo natural para nós, alinhado com a nossa visão de que a tecnologia móvel pode melhorar a vida cotidiana de todos no mundo.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.