Tecnologia

Normas da ABNT: como formatar trabalho acadêmico no Word ou Google Docs

Veja dicas para adequar o seu trabalho

ABNT: conjunto de regras é conhecido pelo seu peso dentro de trabalhos universitários (Reprodução/Thinkstock)

ABNT: conjunto de regras é conhecido pelo seu peso dentro de trabalhos universitários (Reprodução/Thinkstock)

Rafael Arbulu
Rafael Arbulu

Redator freelancer

Publicado em 15 de março de 2024 às 12h04.

Última atualização em 4 de abril de 2024 às 23h53.

Obedecer às normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é algo exigido por todo tipo de trabalho acadêmico, desde redações simples, passando por avaliações universitárias e até mesmo em grandes pesquisas acadêmicas.

Entretanto, a formatação adequada desses trabalhos – algo que já tirou o sono de muitos pesquisadores – há muito deixou de ser o “bicho de sete cabeças” que você pode pensar que é. Na realidade, as ferramentas de edição digitais já contam com diversas funções que ajudam você neste processo. Veja a seguir algumas dicas:

O que são as normas da ABNT

A ABNT foi criada ao final da década de 1940, no intuito de normalizar a padronização técnica de documentos acadêmicos em caráter nacional. Na prática: nós usávamos normas técnicas de outros países, mas que nem sempre eram adequadas para as produções de nossos conteúdos, daí a necessidade de se levantar um órgão brasileiro.

A partir de 1962, por meio da Lei Federal nº 4.150, o uso das normas da ABNT para a redação técnica passou a tornar-se obrigatório, ao mesmo tempo em que o governo reconheceu a entidade como uma “organização de utilidade pública sem fins lucrativos”. Anos mais tarde, a ABNT viria a ser reconhecida internacionalmente, equiparando-se a outras organizações similares, como a Organização Internacional de Normalização (ISO), a. Comissão Pan-Americana de Normas Técnicas (Copant) e a Associação Mercosul de Normalização (AMN).

O que se convém chamar de “normas da ABNT” são, em essência, um conjunto de regras técnicas que envolvem a disposição de documentos acadêmicos, com o objetivo de padronizar estudos e análises dentro de um formato reconhecido e obedecido em todas as esferas de ensino.

Hoje, ela é bem mais conhecida pelo seu peso dentro de trabalhos universitários.

Normas ABNT para formatar TCC e Monografia

Tamanho da folha

Obrigatoriamente, trabalhos acadêmicos devem ser produzidos em folha tamanho A4 – o mesmo tamanho de uma folha comum de papel sulfite.

Fonte, tamanho e cor do texto

As regras previstas pela ABNT são bastante aprofundadas, chegando em partes que, normalmente, outras redações tendem a ignorar. Neste caso, a organização prevê até uma fonte, tamanho e cor de texto certas – especificamente, são aceitos trabalhos redigidos em Arial ou Times New Roman, tamanho 12 e cor preta.

Capa

As normas acima também se aplicam à capa do trabalho. Pois é, nada de grafismos ou um design super intricado e trabalhado: a ABNT rege pela simplicidade de apresentação, e qualquer formato que fuja à simples descrição do trabalho acadêmico reduz a pontuação do material.

Então, reiterando: fonte Arial ou Times New Roman, tamanho 12 e cor preta, com margens de 3 centímetros (cm) nas áreas superior e esquerda, e 2 cm nas áreas inferior e direita.

Margem

Falando em margens, os parâmetros acima – 3 cm de superior e esquerda; 2 cm de inferior e direita – também devem ser obedecidos ao longo de todo o trabalho, desde a capa, passando pelo conteúdo e sem esquecer da finalização.

Palavras em outros idiomas

Obrigatoriamente, termos em outras línguas devem ser traduzidos, mas isso não é tudo: a ABNT rege que os chamados “estrangeirismos” sejam apresentados de uma forma específica. O termo em questão deve ser escrito em formato itálico e entre aspas, com a tradução em texto normal, também entre aspas, dentro de dois parênteses. Por exemplo: "Libertas quae sera tamen"("Liberdade ainda que tardia").

Isso, claro, sem fugir das outras regras acima, sobre fontes e tamanhos e cores.

Alinhamento

Esta é uma das partes que causam confusão a candidatos e autores, simplesmente porque “alinhamento” pode ser conhecido como “ajuste” em algumas aplicações de edição de texto. Apenas para deixar claro, estamos nos referindo à forma como o texto “se ajeita” na folha.

Normalmente, editores de texto como o Microsoft Word ou o Google Docs trabalham com quatro formatos distintos: alinhamento à esquerda, à direita, ao centro e, finalmente, alinhamento justificado. Este último é o que deve ser aplicado a trabalhos acadêmicos conforme regem as normas da ABNT.

Ironicamente, muitas empresas de comunicação passaram a adotar o alinhamento justificado como padrão de redação, mesmo que elas não sejam obrigadas a isso.

Espaçamento

O espaçamento tem uma amplitude de regras um pouco maior que aquelas que você leu acima. De uma forma geral, a ABNT exige “1,5” como distanciamento entre as linhas da redação técnica e entre parágrafos. Normalmente, isso já é suficiente. Entretanto, há situações específicas em que outros detalhes também devem ser observados:

  • 4 cm de espaçamento e recuo em caso de citações com mais de três linhas
  • Legendas de imagens e notas de rodapé devem ter espaçamento simples e fonte tamanho 10
  • Na bibliografia, o espaçamento também é simples, mas a fonte é em tamanho 10 com alinhamento de texto à esquerda
  • Em folhas de rosto (a popular “contracapa”, que vem logo depois da capa), o espaçamento simples deve conter informações do tipo de trabalho, o objetivo por trás da pesquisa que ele redige e o nome da instituição para qual ele é direcionado (para qual universidade, em caso de TCC/monografia; qual a organização por trás do estudo, em caso de pesquisas acadêmicas posteriores)

Agora que você já entendeu a importância das normas da ABNT, vamos mostrar como aplicá-las de maneira prática. Para isso, usaremos de exemplo os dois apps de edição de texto mais populares: o Word (Microsoft) e o Docs (Google).

Como configurar margem pela regra da ABNT no Word e Docs

Aprenda a configurar margem pelo Word ou Google Docs:

No Word

A primeira coisa a ser feita é pressionar, simultaneamente, as teclas CTRL e T do seu teclado. Isso fará com que todo o texto seja selecionado para formatação. Se você não fizer isso, apenas parte do material será configurado, gerando mais trabalho.

Depois disso, basta…

  • clicar na aba “Layout” e escolher a opção “Margens”
  • em seguida, vá para “Margens personalizadas” e procure a opção que menciona a ABNT
  • depois, use as medidas que já informamos aqui para a devida adequação: 3 cm para as margens superior e esquerda,  2 cm para as margens inferior e direita

No Docs

O processo no Docs é relativamente parecido com o que você fez no Word, embora caibam algumas ressalvas. Lembre-se que o editor do Google é um aplicativo que roda na nuvem, então requer conexão constante com a internet. Com isso em mente, selecione todo o texto pelo comando “CTRL+A” (o “T”, aqui, tem outra função).

Em seguida, basta…

  • clicar em “Arquivo” e, depois, “Configuração da Página” ao final do menu
  • na tela seguinte, selecione a opção “A4” para adequação de folha de impressão e, finalmente, as mesmas medidas listadas acima para formatação de margem. Ah, certifique-se que a opção “Retrato” esteja selecionada – este é o nome atribuído a documentos impressos na vertical.

Como fazer a capa do TCC de acordo com a NBR 14724

O nome “NBR 14724” é apenas uma forma resumida de se referir ao conjunto de regras específicas para formatação de trabalhos acadêmicos: teses, dissertações, ensaios e toda a sorte de pesquisas científicas estão sob esta diretriz.

E como todo conjunto de regras bem aprofundado, a NBR 14724 também engloba especificidades na confecção da capa do seu trabalho. Felizmente, elas são bem simples de serem seguidas. Toda capa deste tipo de documento tem que ter:

  • instituição que validará o trabalho
  • nome do autor;
  • título do trabalho
  • subtítulo, caso exista
  • número de volumes ou edições, caso seu trabalho seja feito em séries. Aliás, neste caso, cada edição deve ser devidamente nomeada na capa (“1 de 5”, “2 de 5” e assim por diante)
  • a cidade onde fica a instituição pela qual trabalho deve ser apresentado
  • ano vigente da entrega do trabalho

Há ainda a inserção do nome da instituição antes do autor. Vale citar, no entanto, que por mais que esta seja uma atribuição opcional, a maioria das instituições acadêmicas valoriza a menção direta, então, na dúvida, use isso também.

Como fazer folha de rosto no padrão da ABNT

A folha de rosto – ou “contracapa”, como já mencionamos – serve para aprofundar um pouco o tema proposto pelo título na capa do trabalho. Essencialmente, ela contém um resumo bastante breve do tema tratado, além do motivo pelo qual ele foi abordado, entre outras diretrizes. E sim, também é uma parte obrigatória.

Uma folha de rosto corretamente criada tem praticamente os mesmos itens da capa, salvo por um adicional: um breve (bem breve!) resumo sobre o que é o trabalho, o objetivo por trás dele (graduação em determinado curso, certificação para mestrado, doutorado etc.) e nome do orientador (e co-orientador, se houver).

Vale lembrar que, em casos de certificação de mestrado, doutorado e afins, o resumo deve falar sobre “Tese”, não “Dissertação” ou similares.

Aprenda a fazer sumário no Word e Docs

As edições mais recentes do Word (e do Docs, que é constantemente atualizado devido à sua natureza online) contam com funções facilitadoras para a inserção de sumários. Bom para estudantes universitários, que antigamente tinham que cuidar dessa parte “na mão”, inscrevendo linha por linha.

Para usar esta função no Word, basta posicionar o cursor do mouse na área onde você deseja inserir o sumário (lembre-se de sempre obedecer às normas da ABNT: quando o assunto é “formatação”, não é você quem decide) e acessar a opção “Referências”, seguida de “Sumário”.

Automaticamente, o Word vai criar um sumário devidamente numerado, com base nos títulos e marcações de página de todo o documento. Felizmente, esse texto é editável, então se você revisar e ver que algo saiu errado, basta corrigir o problema manualmente.

No Google Docs, o processo é tão simples quanto no Word: com o documento aberto no app, posicione o cursor do mouse onde você deseja inserir o sumário e, em seguida, clique na opção “Inserir” e, ao final do menu, “Sumário”, selecionando uma das três opções disponíveis.

Numeração no Word e no Docs segundo as normas da ABNT

Tão importante quanto o sumário, é a numeração de páginas, já que ambos conversam entre si: um sumário com marcações de páginas diferentes do que se vê nas páginas em si pode reduzir amplamente a nota do seu trabalho acadêmico em qualquer banca de avaliação. Felizmente, as soluções digitais também contam com funções automatizadas que cuidam da maior parte deste trabalho para você.

No Word, com o documento aberto no app, abra a opção “Inserir” no menu superior. Depois, busque pela opção “Número de Página” e pronto – todo o documento agora conta com páginas marcadas. Vale lembrar que, embora o Word ofereça diversos layouts de formatação, você sempre deve priorizar aquela que obedece à ABNT – então leve as marcações ao canto superior direito do documento.

Vale citar que, tal qual o sumário, as marcações de página também são editáveis, caso você precise corrigir algum erro.

No Docs, o processo é mais simples: com o documento aberto, vá em “Inserir”, seguido de “Número de Páginas” e escolha o layout correspondente. Mais além, em “Opções”, você pode determinar o início de contagem das páginas e formato de cabeçalho, por exemplo.

Como inserir citação no Word e no Docs pela regra da ABNT

As citações são uma parte essencial dos documentos acadêmicos, pois validam as afirmações feitas em seu estudo por meio de outros artigos, publicados e aceitos pela ciência anteriormente. Assim, você ajusta seus argumentos dentro de uma base sólida e de difícil refutação.

Entretanto, apesar da facilidade de usá-las, existem diversos tipos de citação e apenas algumas delas obedecem às regências da ABNT. São elas:

Tipos de citação

A primeira, e mais comum, é a citação indireta, também conhecida como “paráfrase”. Essencialmente, ela é usada para incorporar ideias de um texto original anterior, mas descrito com suas palavras. Neste ponto, é importante que você modere o seu discurso a fim de evitar que a ideia original se perca no seu trabalho.

A inserção da paráfrase é feita de forma manual, então não importa por qual app de edição você está escrevendo, ela sempre deve citar a fonte original, preferencialmente antes da paráfrase em si para fins de contextualização.

  • Um exemplo prático: “EXAME (2024, p. 12) diz que…”.

Há também casos onde a paráfrase antecede ao crédito, desta forma: “paráfrase (EXAME, 2014)”.

A citação direta, ao contrário da anterior, refere-se a quando, no seu texto, você usa as palavras de um autor anterior na íntegra, sem alterar nenhuma parte de seu conteúdo. Isso vale também para ênfases oferecidas no texto original – se o autor usou o negrito em seu texto, você deverá respeitar o mesmo negrito em sua citação.

Citações diretas normalmente aparecem da seguinte forma em um documento:

  • “se o autor usou o negrito em seu texto, você deverá respeitar o mesmo negrito em sua citação” (EXAME, 2024, número da página ou endereço de internet, grifo do autor).

Há ainda a citação direta curta, as quais você usa ao longo do texto (similar à citação indireta), mas empregando o uso das aspas (“”), enfatizando que aquele discurso é um objeto original, não uma interpretação.

No sentido contrário, a citação direta longa refere-se a menções integrais de trabalhos anteriores que contenham a partir de quatro linhas. Neste caso, é preciso formata-las de uma forma específica:

  • parágrafo único
  • recuo de 4 cm
  • alinhamento justificado com espaçamento de linhas de 1,5 cm e fonte tamanho 10

Vale citar, porém, que o excesso de citações diretas longas pode ser entendido por avaliadores como “cópia”. O trabalho acadêmico é sobre a “sua” pesquisa, lembre-se sempre!

Finalmente, temos a “citação da citação” – ou, em termos acadêmicos, apud. Em termos resumidos, o apud é aplicado quando a citação que você vai mencionar já foi utilizada em um trabalho anterior. Normalmente, ele é aplicado ao longo do texto, e o uso da palavra “apud” pode ser feito em negrito no meio da frase, ou então entre parênteses, em formatação comum, ao final do material.

Como usar o recurso de citações no Word e no Docs

Como dissemos, os principais apps de edição de texto contam com funções de inserção automática para citações. Evidentemente, tudo o que o programa insere, você pode e deve revisar e, se for o caso, editar para evitar erros. Mas o caminho até esse recurso é bem simples.

Pelo Word

No Word, segundo a página de suporte da própria Microsoft, você deve:

  • clicar na aba “Referências” do menu superior, seguido de “Citações e Bibliografia” e, finalmente, “Estilo” para determinar o formato desejado. Isso vai estabelecer um parâmetro de formatação, não a citação em si.
  • Depois do primeiro passo, só então você vai colocar a citação no texto: volte para a aba “Referências” e clique em “Inserir Citação”. Aqui, você terá duas opções:
    • Para adicionar as informações da fonte, clique em Adicionar Nova Fonte Bibliográfica e, em seguida, na caixa de diálogo Criar Fonte Bibliográfica, clique na seta ao lado de Tipo de Fonte Bibliográfica e selecione o tipo de fonte que você deseja usar (por exemplo, uma seção de um livro ou um site).
    • Para adicionar um espaço reservado, de modo que você possa criar uma citação e preencher as informações sobre a fonte posteriormente, clique em Adicionar Novo Espaço Reservado. Um ponto de interrogação aparece ao lado dos espaços reservados para a fonte bibliográfica no Gerenciador de Fontes Bibliográficas.

Pelo Google Docs

Já no Docs, conforme indicado pelo próprio Google, o processo é mais simples, e você deve:

  • posicionar o cursor do mouse na área onde você deseja inserir a citação
  • no menu superior, vá para “Ferramentas” e clique em “Citações”: uma aba lateral será aberta, permitindo que você escolha fontes, formatos e, obviamente, insira a citação desejada, com os devidos créditos

No caso do Docs, vale ressaltar que um sinal de sustenido (“#”) significa que aquela parte da citação necessita de uma indicação mais precisa – número da página, endereço de site da internet etc. – então atenção a este detalhe.

Qual a norma da ABNT para referências bibliográficas

Assim como as citações, a bibliografia é uma das peças mais importantes de um trabalho acadêmico. Considere que ela é quem dá todo o embasamento científico à sua dissertação ou tese, fortalecendo a sua interpretação única sobre aquele assunto.Sem ela, basicamente, o seu trabalho vira um “diz que me diz”, na expressão popular.

E como não poderia deixar de ser, a ABNT tem regras bastante específicas para o uso de referências bibliográficas, variando desde formatação até a forma de apresentá-las de acordo com a sua mídia de origem.

Livros

As obras impressas em livros têm versões distintas de menção em um trabalho acadêmico, conforme o seu volume. Veja abaixo a formatação correta de cada um:

  • obras de autor único: SOBRENOME, Nome Abreviado. Título: subtítulo e edição (se houver). Local de publicação: Editora, data de publicação da obra
  • obras com até três autores: SOBRENOME, Nome Abreviado; SOBRENOME, Nome Abreviado. Título: subtítulo e edição (se houver). Local de publicação: Editora, data de publicação da obra
  • obras com mais de três autores: SOBRENOME, Nome Abreviado. et al. Título: subtítulo e edição (se houver). Local de publicação: Editora, data de publicação da obra
  • obras com autor desconhecido/não creditado: TÍTULO – Cidade – Editora – ano de publicação – página

Artigos em revistas ou jornais

Ainda na mídia impressa, mas fora dos livros mais longos, há também as citações a matérias jornalísticas, colunas e outros artigos opinativos veiculados em jornais e revistas. Estes trazem uma formatação específica:

  • SOBRENOME, nome abreviado. Título do artigo. Título da Revista, (abreviado ou não) Local de Publicação, Número do Volume (se for uma obra feita em série), Número da Edição, Páginas inicial-final, mês e ano
  • Exemplo: REVISTA EXAME. São Paulo, edição 786, ano 37, no 4, 26 fev. 2003.

Obras na internet

O advento da internet fez com que a ABNT revisasse seu conjunto de regras, criando diretrizes específicas para as fontes tiradas do universo mundialmente conectado. Assim sendo, temos diversas formas de fazermos referências a materiais tirados da internet, dependendo do contexto:

  • Artigo com autor conhecido: SOBRENOME, Nome Abreviado. Título e subtítulo (se houver). Nome do site, ano. Disponível em: (link). Acesso em: (data)
  • Artigo com autor desconhecido/não creditado: Título e subtítulo (se houver). Nome do site, ano. Disponível em: (link). Acesso em: (data)

Teses, dissertações e outros artigos acadêmicos

  • SOBRENOME, nome. Título: subtítulo. Ano de apresentação. Número de folhas ou volumes. (Categoria e área de concentração, curso ou disciplina) – Instituição, Local, ano da defesa

Legislações vigentes

Até mesmo as citações a leis obedecem a regras específicas de menção, tais como:

  • leis tiradas diretamente da Constituição Federal ou Estadual: BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. Página
  • leis de cunho comum: BRASIL. Lei nº X.XXX, de XX de mês de ANO. Função da lei. Diário Oficial da União, Brasília, DF, v. XX, n. XX, data de publicação do diário oficial da região onde a lei foi divulgada. Seção, páginas

Leia também:

Acompanhe tudo sobre:Tutorial

Mais de Tecnologia

Apple apresenta versão do iPhone com IA nesta segunda; veja o que esperar

LinkedIn atinge 75 milhões de usuários no Brasil com forte crescimento da Geração Z

Trabalhe como um streamer: Santander oferece 8 mil bolsas de estudo para gamers

5G atinge 25,92 milhões de chips ativos, mas representa apenas 10% da base móvel no Brasil

Mais na Exame