Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Estes são os países onde o 5G é mais popular

Dados da Open Signal mostram que o Brasil não está entre os oito países em que a tecnologia tem maior disponibilidade

A expectativa sobre a chegada do 5G ao Brasil permanece alta. O leilão de frequências de telecomunicações para a tecnologia, que está marcado para 4 de novembro, deve atrair uma grande quantidade de interessados -- e, segundo o ministro das comunicações, Fábio Faria, até Elon Musk estaria entre eles. Enquanto a nova frequência não chega ao país, o Brasil fica, ainda, alguns passos atrás dos países líderes em tempo de uso da nova frequência, como Estados Unidos e Coreia do Sul.

Segundo dados da consultoria alemã Statista, com base em informações da Open Signal, entre os oito países com maior disponibilidade de tecnologia 5G -- ou seja, aqueles em que a população tem a maior proporção de tempo em uma conexão ativa -- a Coreia do Sul é campeã, com usuários conectados em 28,1% do tempo a uma conexão 5G.

Em segundo lugar, está a Arábia Saudita, com 26,6% e, em terceiro lugar, o Kuwait, com 26,3%. Dentro da lista, contudo, a maior parte dos países tem uma cobertura quase completa de rede 4G -- o que mostra o potencial a ser explorado pela tecnologia mais recente ao longo do tempo.

 

Infographic: Where 5G Is Most Widely Available | Statista

 

Resta saber, agora, como a nova tecnologia será adotada no país e como será o potencial de crescimento dela por aqui. Na visão de Gabriel Balbo, analista de relações internacionais econômicas, tecnologia e geopolítica, o Brasil deve se apressar para dominar o avanço do 5G na América Latina.

“Para além do panorama geral, o Brasil apresenta nichos para a chegada do 5G, sobretudo em setores como agronegócio e manufatura, seguidos pelo varejo em regiões de maior poder aquisitivo (as cidades de São Paulo e Rio, por exemplo)”, afirma, em artigo publicado pela EXAME.

Ainda é cedo para fazer previsões, mas, dados publicados pela consultoria GSMA estimam que o Brasil deve ter apenas 18% de conexões em 5G até 2025. Esse volume deve ser formado principalmente por empresas, direcionado especialmente à melhora de processos e à adoção de recursos como IoT no próprio cotidiano. De acordo com Alejandro Adamowics, diretor de tecnologia e estratégia para a América Latina, trata-se de um comportamento similar ao dos demais países da região.

“O Brasil tem uma ampla gama de setores interessados nisso, que vão desde a agricultura até o automotivo. Isso está relacionado com o potencial de ganhos a serem obtidos por eles, acelerando diferentes processos. Hoje, é claro que todo mundo deseja uma conexão ultrarrápida no celular, mas, ela não é imprescindível”, afirmou Alejandro Adamowics, diretor de tecnologia e estratégia para a América Latina da GSMA, à EXAME, no último ano.

Por enquanto, ainda não é possível ter uma análise prática global de efeitos como esse, a serem proporcionados pelo 5G -- uma vez que o país “campeão” de popularidade da frequência tem pouco mais de 28% do tempo de usuários conectados. Mas, as altas expectativas permanecem: cidades e carros inteligentes podem ser o futuro da adoção em massa do 5G. 

Mas, nem por isso empresas e países estão parados. De olho no futuro “pós-5G”, empresas já miram o 6G, que deve ser usado principalmente por máquinas, e tem previsão de chegar em 2028. Por enquanto, esses ainda são planos distantes -- e o Brasil pode mirar em um passo de cada vez. 

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também