Drones de internet do Facebook serão do tamanho de Boeings

Veículos não tripulados deverão voar “acima de todo o espaço aéreo”, a uma distância de 18 a 27 quilômetros da superfície

São Paulo - Notícias de que o Facebook lançaria drones para distribuir internet pelo mundo já vem desde março deste ano.

Mas a rede social só voltou a dar detalhes sobre o ambicioso projeto nesta semana, adiantando que os veículos não tripulados usados na experiência serão, provavelmente, do tamanho daqueles enormes Boeings 747.

Quem disse isso foi o diretor de engenharia do Facebook Connectivy Lab, Yael Maguire, que esteve no evento Social Good Summit na última segunda-feira e conversou com Pete Cashmore, CEO do Mashable.

No bate-papo, relatado no próprio site, o executivo da empresa mostrou que não gosta muito de usar a palavra “drone” para se referir às aeronaves – ele prefere mesmo “aviões”.

Maguire contou que os veículos não tripulados deverão voar “acima de todo o espaço aéreo”, a uma distância de 18 a 27 quilômetros da superfície.

Para se ter uma ideia, aviões tripulados ficam bem mais para baixo, chegando a um máximo de 15 Km de altitude, enquanto drones – mesmo os grandes – mal chegam perto disso.

O engenheiro da rede social também contou que os veículos não tripulados envolvidos na iniciativa precisarão ser movidos a energia solar, já que a ideia é que fiquem no ar por meses.

A ideia é similar à apresentada pela Titan Aerospace, empresa que chegou a ser cobiçada pelo Facebook, mas que acabou comprada pelo Google ainda em abril deste ano.

Para garantir a eficiência energética, as aeronaves terão que ser bem leves, apesar de terem o quase o tamanho de um 747.

De acordo com o Mashable e com Maguire, um dos modelos que o laboratório está produzindo tem o tamanho de sete Prius (cerca de 28 metros), mas pesa o mesmo que os quatro pneus usados no carro elétrico da Toyota, aparentemente.

Colocando em ação

A ideia é colocar um desses aviões não tripulados no ar em 2015, mas sem internet e ainda dentro dos EUA.

Eles deverão ser capazes de levar internet pelo mundo apenas dentro de três a cinco anos, o que mostra que ainda há muito que melhorar.

Os desafios principais, no entanto, estão mais relacionados à regulamentação de espaços aéreos.

Como lembrou o Mashable, as leis exigem que aviões tenham pelo menos um piloto – mas para o projeto dar certo, é preciso que as regras sejam abertas à ideia de “um piloto gerenciando mais de 100 desses aviões movidos à energia solar”, e tudo à distância.

Fora isso, Maguire admitiu que o Facebook ainda assumirá outros riscos legais. Isso porque também não existem leis que falem sobre colocar aeronaves voando acima dos 18 Km de altitude e nem sobre enviar sinais de Wi-Fi a pessoas na superfície.

Mas há uma equipe no Facebook Connectivity Lab inteiramente dedicada a essas questões.

Se tudo correr como o planejado, então, só precisaremos esperar mais alguns anos para termos aviões não tripulados distribuindo internet sem fio pelo mundo.

A ideia da rede social com o projeto, feito em parceria com o Internet.org, é conectar os 15% restantes da população que não têm acesso à web – e, por ora, 21 países na América Latina, na África e na Ásia foram identificados pela empresa, segundo a reportagem.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.