Diretora de operações da Meta, Sheryl Sandberg, deixa o cargo após 14 anos

Mark Zuckerberg não tem planos para substituí-la
Sheryl Sandberg: a executiva foi o braço direito de Zuckerberg desde a abertura de capital da empresa, em 2008 (Allison Shelley/Getty Images/Getty Images)
Sheryl Sandberg: a executiva foi o braço direito de Zuckerberg desde a abertura de capital da empresa, em 2008 (Allison Shelley/Getty Images/Getty Images)
A
André Lopes

Publicado em 01/06/2022 às 17:08.

Última atualização em 01/06/2022 às 19:06.

A diretora de operações da Meta, Sheryl Sandberg, anunciou nesta quarta-feira, 1, em uma publicação no Facebook que está deixando o cargo que ocupou por mais de 14 anos.

Dona do Facebook vai cobrir custos de transição de gênero dos funcionários no Brasil

Sandberg deixará oficialmente o posto no segundo semestre e, nos próximos meses, deve seguir trabalhando com o CEO Mark Zuckerberg para fazer a transição de seus subordinados diretos.

Em outro post no Facebook, Mark Zuckerberg chamou a mudança de “fim de uma era” e disse que não planeja substituir o papel de Sandberg na estrutura da empresa.

Com isso, Mark deixa claro a intenção de consolidar ainda mais o poder da empresa sob seu controle, que até então só foi compartilhado com Sandberg.

De acordo com a Bloomberg, no último ano, Sandberg se tornou menos envolvida com a transição de marca e de negócios da Meta.

Por esse motivo, ela mesmo teria treinado os líderes de sua equipe para cargos mais altos, como no caso de Marne Levine, que virou diretora de negócios e, mais recentemente, o antigo chefe de políticas do Facebook, Nick Clegg, que se tornou subordinado a Zuckerberg.

Sandberg notificou Zuckerberg de sua intenção de renunciar no fim de semana passado. Embora ela tenha sido recentemente acusada de usar sua posição para reprimir as reportagens negativas sobre seu ex-namorado e CEO da Activision Blizzard, Bobby Kotick, sua decisão de deixar a Meta não tem relação com o escândalo.

LEIA TAMBÉM: Sheryl Sandberg é acusada de usar influência para impedir reportagem