Depois de quatro anos, mercado de games pode ter novo líder

Com previsão de receita de quase 37 bilhões de dólares, mercado americano de jogos eletrônicos deve superar o chinês pela primeira vez desde 2015
Disputa: liderança chinesa no mercado de jogos eletrônicos durava desde 2015 (andriano_cz/Thinkstock)
Disputa: liderança chinesa no mercado de jogos eletrônicos durava desde 2015 (andriano_cz/Thinkstock)
R
Rodrigo Loureiro

Publicado em 19/06/2019 às 16:39.

Última atualização em 19/06/2019 às 17:18.

São Paulo – O mercado americano de games vai recuperar a liderança global em 2019. Essa, pelo menos, é a previsão da empresa de pesquisas Newzoo. De acordo com o estudo, o faturamento americano deve somar 36,9 bilhões de dólares, valor que superior ao que será arrecadado na China neste ano e que não foi divulgado. A última vez que os Estados Unidos ocuparam a primeira colocação do setor foi em 2015.

A previsão otimista é explicada no congelamento das licenças de novos jogos na China. Em agosto do ano passado, a imprensa internacional noticiou que o governo chinês, com decisões que passaram pelo ministério da Cultura e do Turismo do país, decidiu impedir o lançamento de novos jogos no mercado local.

Isso trouxe trouxe consequências continentais. Antes o mercado que mais crescia no mundo, continente asiático deve ver as vendas de jogos e consoles aumentarem apenas 7,6% neste ano. É um percentual abaixo do que deve ser registrado na América do Norte, 11,7%, na Europa e na África, 11,5% e na América do Sul, 11,1%. Vale destacar, contudo, que 72,2 bilhões de dólares, ou 47% da receita global do setor, ainda está concentrada na Ásia.

As empresas, é claro, não passaram imunes dos problemas recentes na China. O maior exemplo é a Tencent, A gigante chinesa responsável pelo aplicativo de mensagens WeChat viu seu faturamento crescer apenas 9% em 2018 e somar 19,7 bilhões de dólares. No ano anterior, a alta foi de 51%.

Com sede em Shenzhen, a Tencent se tornou uma das principais empresas do mundo no setor de jogos. A companhia em estúdios como Riot Games, a Blizzard, a SuperCell e a Epic Games. Este último, inclusive, é responsável por um dos maiores fenômenos virtuais da história, Fortnite, que já tem mais de 250 milhões de jogadores em todo o planeta. Em 2018, de acordo com o TechCrunch, o jogo fez a Epic Games lucrar 3 bilhões de dólares e aumentar seu valor de mercado para mais de 15 bilhões de dólares.