Sul-coreanos serão extintos em 2750? É o que diz um estudo

O Instituto Brookings analisou a taxa de natalidade e o envelhecimento da população sul-coreana e chegou a uma conclusão bizarra

São Paulo – O envelhecimento da população e as baixas taxas de natalidade são problemas para diversos países desenvolvidos. Um dos que mais sofre com essa questão demográfica é a Coreia do Sul. Uma pesquisa analisou os dados e chegou a conclusões bizarras sobre o país.

Em 2013, a taxa de natalidade do país caiu para o menor nível já registrado. Apenas 8,6 bebês por mil sul-coreanos nasceram. Assim, se espera que cada mulher sul-coreana tenha 1,1 filho, ou seja, a Coreia do Sul é o quinto país com a menor taxa de fertilidade no mundo.

Além disso, uma pesquisa do governo, que entrevistou mulheres entre 9 e 24 anos, descobriu que apenas 46% delas gostariam de se casar. Esse número é considerado baixo se comparado com a taxa de homens que querem se casar (63%), segundo o Instituto Brookings, um centro de pesquisas dos EUA. Sem casamento, a chance de uma mulher ter filhos diminui ainda mais.

Segundo o Instituto Brookings, um estudo de 2014 concluiu que os sul-coreanos poderiam enfrentar a extinção natural em 2750. Isso aconteceria se a taxa de natalidade fosse mantida em 1,19 filhos por mulher, se não houvesse reunificação com a Coreia do Norte ou entrada significativa de imigrantes.

De acordo com essa simulação, a atual população da Coreia do Sul, de 50 milhões, poderia cair para 20 milhões até o final do século. A segunda maior cidade, Busan, seria extinta em 2413, enquanto a capital, Seul, desapareceria em 2505.

No entanto, há outro fator a ser considerado.  Muitas famílias coreanas são etnicamente misturadas. Geralmente, o pai é coreano e a mãe é chinesa, vietnamita ou filipina. A taxa de natalidade das crianças de mães imigrantes é maior do que a de mulheres coreanas.

Segundo o instituto, o governo sul-coreano planeja fazer livros didáticos com imagens de crianças multirraciais para incentivar o crescimento da população.

Naturalmente, ninguém espera que os sul-coreanos sejam mesmo extintos daqui a 735 anos. A afirmação do Instituto Brookings é só uma maneira dramática de ilustrar o encolhimento da população da Coreia do Sul.

Supor que as tendências atuais vão se manter invariáveis ao longo do tempo é um erro clássico na interpretação de dados estatísticos. Muitas coisas devem mudar nos próximos sete séculos. Logo, a projeção não pode ser levada ao pé da letra.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.