Tecnologia

Com demanda em alta, gigantes de chips faturam mais do que nunca

Receita conjunta das 10 maiores fabricantes chegou a 22 bilhões de dólares no primeiro trimestre, com a TSMC responsável por metade das vendas

Semicondutores e chips: com forte demanda no mercado, fabricantes tiveram trimestre de resultados recorde (Pau Barrena/Bloomberg/Getty Images)

Semicondutores e chips: com forte demanda no mercado, fabricantes tiveram trimestre de resultados recorde (Pau Barrena/Bloomberg/Getty Images)

TL

Thiago Lavado

Publicado em 2 de junho de 2021 às 07h00.

Última atualização em 2 de junho de 2021 às 20h52.

As 10 maiores fabricantes de chips e semicondutores tiveram um primeiro semestre intenso. A crise gerada pela alta demanda dos componentes levou todas elas a apresentarem resultados recordes no período, de acordo com a empresa de pesquisa de mercado TrendForce.

Em conjunto, essas empresas faturaram 22,75 bilhões de dólares somente nos primeiros três meses de 2021, de acordo com o relatório. Quem liderou o setor foi a taiwanesa TSMC, que sozinha vendeu mais da metade do mercado, com receita de 12,9 bilhões.

Com a ascensão de eletrodomésticos e até carros cada vez mais computadorizados, os chips e semicondutores estão atualmente em tudo que usamos, desde os videogames, às máquinas de lavar.

Por causa disso, a demanda por esses componentes está superaquecida e algumas empresas, especialmente as que tinham cadeias menos sólidas e dependiam mais de fornecedores, estão tendo dificuldades de encontrar chips. É esperado que a escassez possa durar até 2023, de acordo com alguns especialistas.

"As capacidades das fabricantes, como resultado [da alta demanda], estão em escassez desde 2020, com várias delas ajustando portfólio e aumentando preços para garantir a lucratividade", afirmou a analista Joanne Chiao, em relatório.

 

Acompanhe tudo sobre:ChipsProcessadores

Mais de Tecnologia

Apenas 20% dos CFOs estão satisfeitos com os resultados dos investimentos em tecnologia

Meta negocia comprar 5% da EssilorLuxottica, dona da Ray-Ban que comprou a Supreme, diz WSJ

Meta abre dados do Instagram para estudo do impacto na saúde mental de adolescentes

O que é o Prime Day? Nos EUA, ele deve movimentar US$ 14 bilhões

Mais na Exame