Brasil entra em projeto de megacabo submarino de rede de 15 mil km

Cabo submarino vai ligar a América do Sul à Ásia e à Oceania

O governo brasileiro anunciou, nesta quinta-feira, sua adesão formal ao projeto para a construção do cabo de fibras ópticasHumboldt”, com quase 15.000 quilômetros de extensão. Trata-se de uma iniciativa chilena, que prevê a instalação do primeiro cabo submarino para interligar a América do Sul à Oceania e à Ásia. Além do Brasil, Argentina, Austrália e Nova Zelândia já manifestaram sua participação no projeto.

Nos próximos meses, equipes técnicas dos países envolvidos aprofundarão as discussões sobre as modalidades financeiras e técnicas da participação do Brasil neste projeto de longo prazo. O volume total de investimentos do projeto foi orçado em cerca de 400 milhões de dólares, e o prazo da concessão público-privada que deverá operá-lo foi estimado em 25 anos.

Durante cerimônia de lançamento dessa parceria, o chanceler Carlos França destacou que o projeto do cabo submarino "Humboldt" contribuirá para acelerar a interconexão e a digitalização das economias não apenas do Brasil e do Chile, mas também dos demais países sul-americanos. Ele destacou que a evolução digital e as telecomunicações desempenharão papel central no mundo.

"A pandemia tem acelerado a transformação digital e tem demonstrado a importância de nos apropriarmos das potencialidades da economia digital para o benefício da sociedade, sem descuidarmos da resiliência e da segurança das redes", afirmou França, ao lado do ministro das Comunicações, Fábio Faria, em videoconferência com autoridades chilenas.

Segundo destacou o ministro das Comunicações, o cabo contará com um sistema de oito fibras ópticas e terá capacidade inicial de transmissão de dados de até 400 Gbps. Esse potencial é suficiente cobrir 14.810 quilômetros de extensão e conectar Valparaíso (Chile) a Sydney (Austrália), passando por Auckland (Nova Zelândia),14.810 quilômetros de extensão. A conexão da Austrália com a Ásia será feita por cinco cabos já implantados e em funcionamento.

"Ao ligar a América do Sul à Oceania e à Ásia, a iniciativa contribuirá para o aumento da redundância da conexão brasileira com a internet mundial, com melhoria da disponibilidade e da confiabilidade do sistema. Ademais, permitirá o aumento do volume do tráfego de dados do país com as regiões que mais crescem em demanda por internet no mundo", salientou Faria.

Após o lançamento do que está sendo chamado de "conexão transpacífica", uma nota conjunta do Itamaraty e do Ministério das Comunicações destacou que a conexão por fibra óptica do Brasil com seus vizinhos vai consolidar a infraestrutura digital regional. Como resultado, o Brasil terá condições de se posicionar como líder da transformação digital e do mercado digital na América do Sul. Atualmente, Argentina, Brasil e Chile respondem por 80% do tráfego de internet na América do Sul.

"A adesão brasileira ao projeto do cabo Humboldt vem somar-se a outras importantes iniciativas do governo brasileiro, como o leilão de frequências de 5G, que dinamizará o mercado nacional de telecomunicações, ao viabilizar aplicações industriais dessa tecnologia ultrarrápida, ultraestável e de latência (tempo de resposta aos comandos) mínima; e a conexão com a Europa, através do cabo submarino EllaLink, que intensificará a transmissão de dados com os principais continentes produtores de conteúdo e demanda e propiciará a redução de custos para as empresas e o aumento de eficiência nos processos produtivos", diz o comunicado conjunto.

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.