A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Branqueamento afeta 95% do norte da Grande Barreira de Coral

O especialista afirmou que foram examinados 520 corais e só quatro se salvavam do processo causado pelo estresse ambiental

Sydney - O branqueamento atinge 95% da seção norte da Grande Barreira de Coral, o maior recife do mundo que se estende ao longo de 2.300 quilômetros no nordeste da Austrália, uma situação pior do que a prevista, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira por meios de comunicação locais.

"Vimos (em um reconhecimento aéreo) enormes níveis de branqueamento na faixa norte da Grande Barreira que se estende por milhares de quilômetros", declarou à emissora de rádio local "ABC" o acadêmico Terry Hughes, da James Cook, a universidade australiana encarregada da pesquisa.

O especialista afirmou que foram examinados 520 corais e só quatro se salvavam do processo pelo qual as colônias de Coelenterata Anthozoa perdem sua cor como resultado do estresse ambiental.

A cadeia de coral que outrora se caracterizava por suas vivas cores adquiriu uma coloração fantasmal desde a cidade de Cairns até o estreito de Torres.

No caso da Grande Barreira, patrimônio da humanidade, o branqueamento provém do aumento da temperatura da superfície do mar.

"Ainda é demais em breve para precisar quantos morrerão, mas a julgar o branco neve nos corais, calculo que a metade deles morrerá no mês próximo, mais ou menos", alertou o acadêmico.

Os corais mantêm uma relação simbiótica especial com um gênero de algas microscópicas chamadas zooxanthellae, que satisfazem 90% de suas necessidades energéticas.

Quando a água se aquece demais, o coral expulsa a zooxanthellae e se branqueia até morrer no prazo de cerca de um mês, mas se a água esfriar antes, sobrevive e recupera a cor.

Justin Marshall, especialista na matéria da Universidade de Queensland, declarou à "ABC" que a mudança climática é responsável pelo branqueamento e criticou o governo por se omitir diante das provas apresentadas desde 1998 sobre a existência do efeito estufa.

"Era inevitável que este fenômeno de branqueamento ocorresse e agora ocorreu. Necessitamos unir a comunidade mundial para reduzir as emissões de gases do efeito estufa", insistiu Marshall.

A saúde da Grande Barreira, que abriga 400 tipos de corais, 1.500 espécies de peixes e 4 mil variedades de moluscos, começou a se deteriorar na década de 1990 pelo duplo impacto do aquecimento de água do mar e pelo aumento de sua acidez pela maior presença de dióxido de carbono na atmosfera.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também