• AALR3 R$ 20,06 1.88
  • AAPL34 R$ 70,18 -4.39
  • ABCB4 R$ 16,60 -1.95
  • ABEV3 R$ 14,20 -3.60
  • AERI3 R$ 3,78 -2.83
  • AESB3 R$ 10,66 -1.39
  • AGRO3 R$ 30,75 -2.81
  • ALPA4 R$ 20,98 -2.37
  • ALSO3 R$ 19,47 -3.23
  • ALUP11 R$ 26,41 0.19
  • AMAR3 R$ 2,38 -2.46
  • AMBP3 R$ 30,90 1.95
  • AMER3 R$ 22,96 -0.26
  • AMZO34 R$ 67,68 -6.44
  • ANIM3 R$ 5,52 -3.33
  • ARZZ3 R$ 82,09 -0.82
  • ASAI3 R$ 15,48 -2.21
  • AZUL4 R$ 21,30 -4.01
  • B3SA3 R$ 11,54 -3.03
  • BBAS3 R$ 35,85 -1.59
  • AALR3 R$ 20,06 1.88
  • AAPL34 R$ 70,18 -4.39
  • ABCB4 R$ 16,60 -1.95
  • ABEV3 R$ 14,20 -3.60
  • AERI3 R$ 3,78 -2.83
  • AESB3 R$ 10,66 -1.39
  • AGRO3 R$ 30,75 -2.81
  • ALPA4 R$ 20,98 -2.37
  • ALSO3 R$ 19,47 -3.23
  • ALUP11 R$ 26,41 0.19
  • AMAR3 R$ 2,38 -2.46
  • AMBP3 R$ 30,90 1.95
  • AMER3 R$ 22,96 -0.26
  • AMZO34 R$ 67,68 -6.44
  • ANIM3 R$ 5,52 -3.33
  • ARZZ3 R$ 82,09 -0.82
  • ASAI3 R$ 15,48 -2.21
  • AZUL4 R$ 21,30 -4.01
  • B3SA3 R$ 11,54 -3.03
  • BBAS3 R$ 35,85 -1.59
Abra sua conta no BTG

Black Friday de 2020 deve ser a maior de todos os tempos

Estudo da AppsFlyer enviado com exclusividade à EXAME aponta que os downloads de apps de e-commerce aumentaram 100% durante pandemia
Black Friday 2020: evento deste ano deve ser ainda maior que o do ano passado (Exame/Germano Lüders)
Black Friday 2020: evento deste ano deve ser ainda maior que o do ano passado (Exame/Germano Lüders)
Por Tamires VitorioPublicado em 17/09/2020 06:58 | Última atualização em 17/09/2020 09:04Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A Black Friday de 2020 deve ser a maior de todos os tempos, visto que os downloads de aplicativos de compras no Brasil cresceram 100% durante a pandemia do novo coronavírus. É o que aponta um estudo da empresa americana AppsFlyer, enviado com exclusividade à EXAME. No ano passado, por exemplo, as compras via aplicativos de varejo subiram 84% entre e setembro --- mas nos últimos meses o aumento de compras feitas por aplicativos já aumentou o suficiente para indicar um sucesso ainda maior para as varejistas no evento deste ano.

Segundo o estudo, o motivo para esse aumento significativo é o fato de os brasileiros terem se acostumado a fazer compras online em aplicativos ou em sites, ao mesmo tempo em que marcas mais tradicionais tiveram de se digitalizar (rapidamente) para não perder a clientela. Na América Latina, o aumento de instalações de aplicativos de e-commerce foi de 93% --- maior crescimento no mundo para apps do tipo entre todas as regiões do planeta.

No Brasil a situação é ainda mais forte. Entre fevereiro e maio deste ano o download de apps via anúncios foi de 100%, o que, segundo a AppsFlyer, coloca o país como o maior mercado de publicidade de aplicativos na América do Sul. Outro número que pode significar uma boa notícia para os varejistas é que a receita de aplicativos cresceu 125,44% entre março e junho deste ano.

"Já entendemos que a pandemia está acelerando o crescimento das transações online, e o aplicativo é o canal de vendas com maior taxa de conversão. Neste sentido, com o amadurecimento dos profissionais de marketing e a possibilidade de medirem com precisão o ROI [retorno sobre o investimento] das campanhas, cresceu o investimento nas plataformas mobile. A prova disso é que no primeiro semestre, o Brasil foi o país com o maior número de downloads de apps de forma não-orgânica , ou seja, guiados por campanha de marketing, em todo o mundo", afirma o diretor de marketing da AppsFlyer para América Latina, Marlon Luft.

Na Black Friday de 2019 as sessões de aplicativos de compras subiram 40%; número que foi ultrapassado somente entre abril e junho deste ano, chegando a 50%. O estudo indica que isso mostra a adaptação dos brasileiros a procurar cada vez mais produtos via aplicativos. A expectativa de crescimento do faturamento no evento deste ano, segundo a AppsFlyer, é de cerca de 20% em relação ao ano passado.

Os resultados de 2019 já foram bons, e somente nas primeiras sete horas de vendas da Black Friday no ano passado no e-commerce totalizaram R$ 362,1 milhões, segundo levantamento da Ebit/Nielsen. O número foi 69% superior ao mesmo período de 2018. O volume de pedidos nestas sete horas, segundo o levantamento, foi de 448 mil, variação de 61% frente ao mesmo período de 2018 (278 mil).

Se a tendência em 2020 é que esse número aumento, as varejistas não terão do que reclamar.