Amazon abre mais um supermercado high-tech nos EUA e planeja outros 28

Companhia, que é dona da rede Whole Foods, abriu 11 lojas Amazon Fresh, para venda de produtos frescos com tecnologia nas lojas

A Amazon está de olho nos supermercados, especialmente em trazer mais tecnologia para a experiência. A empresa abriu mais uma loja Amazon Fresh nos Estados Unidos, nesta quinta-feira, de acordo com a Bloomberg.

Inovação abre um mundo de oportunidades para empresas dos mais variados setores. Veja como, no curso Inovação na Prática

É a 11ª desde setembro do ano passado, quando a empresa lançou mais uma frente de atuação no varejo físico. O gigante é dono ainda da cadeia de supermercados Whole Foods (adquirida em 2017 por 13,7 bilhões de dólares), focada em comida natural e orgânica, e da rede Amazon Go, que funciona mais como uma loja de conveniência — com o diferencial de que não existem caixas, o consumidor coloca no carrinho e tem as compras lançadas no cartão de crédito na saída.

A Amazon já vende alimentos e itens para casa há dez anos — só que no online. A empresa tem uma parcela pequena desse mercado, estimado em 900 bilhões de dólares nos Estados Unidos. Competidores, como o gigante Walmart, começam incursões no mundo digital, enquanto que a Amazon ganha espaço com as lojas de tijolos.

As novas Amazon Fresh não detêm a mesma tecnologia que as lojas de conveniência sem caixas, mas exploram algumas inovações. Os carrinhos de compras, por exemplo, são equipados com telas sensíveis ao toque e integradas ao restante do ecossistema da empresa.

Ao colocar as compras no carrinho, ele calcula o valor dos itens e torna o processo de saída mais fácil, com a cobrança dos itens direto do cartão de crédito cadastrado na conta Amazon. A tela pode acessar a lista de compras da Alexa e tem um leitor de cupons para descontos. Dependendo do tamanho das compras, é possível simplesmente sair com o carrinho e pagar com pouca complicação.

Analistas consultados pela Bloomberg apontam que as lojas são mais baratas para lançar e custam pouco para manter, uma arma que pode ser usada pela Amazon em um setor conhecido pelas margens pequenas.

Os dados que a empresa já tem dos consumidores, como a densidade de assinantes Prime numa mesma região, são fatores de peso para decidir onde abrir a próxima loja. Os hábitos de compra e produtos mais comprados ajudaram a preencher as prateleiras.

Apesar disso, esse é um mercado competitivo nos Estados Unidos e analistas estimam que a Amazon precise de centenas de lojas nos próximos anos para ser um competidor relevante. Trinta e nove delas já estão a caminho.

 

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.