Gustavo Franco: moedas digitais precisam melhorar governança

Ex-presidente do Banco Central elogia o PIX, sistema instantâneo de pagamentos do BC, mas diz que ele deveria ter sido antecipado

Realizado no início da noite desta quinta-feira, 15, o segundo painel do evento Future of Money, promovido pela EXAME, discutiu a democratização do mercado financeiro e como o futuro do dinheiro poderá afetar os negócios.

O debate, conduzido pelo Head da EXAME Academy, André Portilho, teve como convidado o economista Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central e fundador da gestora Rio Bravo Investimentos.

Franco abordou diferentes questões que, em sua avaliação, foram ou poderão ser atores essenciais na promoção de mudanças no sistema financeiro de forma geral, como o PIX, as criptomoedas e as moedas digitais emitidas pór bancos centrais (CBDCs).

As criptomoedas e as moedas digitais ocuparam parte considerável da discussão. Segundo Gustavo Franco, é necessário que esses projetos se ajustem em relação à governança e à regulação para que sejam adotados em escala global.

“Em vista do assunto de evasão tributária e lavagem de dinheiro, imaginar que teremos uma esfera monetária anônima de cash eletrônico…. esquece. É um sonho libertário infantil, adolescente, não vai rolar. E não devemos perder nosso tempo com isso”, disse o economista, fazendo referência ao Bitcoin.

Franco, entretanto, não se colocou de forma contrária às novas moedas ou às tecnologias que possibilitam o seu desenvolvimento e lançamento: “Como princípio, acho legal. Quanto mais privacidade, melhor. Odiamos os regimes ditatoriais, os confiscos etc. Vamos trabalhar, então, na governança do sistema. Mas achar que ninguém vai ver, não. É bobagem”.

Segundo Franco, será essencial para qualquer moeda digital ganhar ampla adesão para se tornar relevante. “O valor da plataforma tem a ver com o número de interações dentro dela, o que depende do número de participantes”, disse Franco, com a ressalva de que não se trata de premissa aplicável somente a empresas de tecnologia.

PIX como solução

O ex-presidente do BC também elogiou o PIX, mas lamentou o fato de o lançamento do novo sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central não ter sido antecipado para atender os mais de 60 milhões de brasileiros que buscaram o auxílio emergencial distribuído pelo governo brasileiro em meio à pandemia do novo coronavírus. O lançamento será no dia 16 de novembro. 

“A pandemia trouxe o assunto da bancarização para a frente da fila, e o PIX pode ajudar neste sentido. O PIX teria sido uma solução muito melhor para o saque do auxílio emergencial do que o lançamento da nova nota de 200 reais”, comparou.

Assista à íntegra do painel com Gustavo Franco para o Future of Money:

 

 

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.