Um novo jeito de ensinar

Descomplica usa sua experiência no digital para ajudar escolas públicas e privadas na crise

Com dez anos de experiência dando aulas à distância a 5 milhões de estudantes do ensino médio todos os meses, a startup brasileira Descomplica colocou seus serviços à disposição do governo de São Paulo.

Selecionada em um edital, a empresa vai oferecer gratuitamente, a partir do dia 25 de maio, seus conteúdos digitais para mais de 1,5 milhão de alunos do ensino médio da rede pública paulista. A doação, ao longo de três meses de parceria, equivale a 54 milhões de reais em serviços.

Os estudantes poderão acessar vídeos, exercícios e textos diretamente nas plataformas do Descomplica. A empresa também vai disponibilizar os conteúdos no aplicativo governamental Centro de Mídias da Educação de São Paulo, que tem internet subsidiada aos alunos.

Além disso, algumas séries de vídeos da startup foram selecionadas para ser transmitidas pela TV Cultura. “Nosso papel neste momento é este: suportar as escolas e secretarias na mídia que elas precisarem”, diz Marco Fisbhen, fundador e presidente da empresa.

A expertise do Descomplica despertou interesse de dezenas de escolas particulares, preocupadas em oferecer soluções digitais. A startup nasceu como uma “Netflix dos estudos”, focada em vender conteúdo para os alunos, mas passou a atender também as escolas há cerca de um ano.

A equipe do Descomplica capacita os professores a usar o material disponível na plataforma de maneira complementar ao ensino presencial. Com a crise, os clientes querem novos roteiros de estudo utilizando somente a ferramenta. Aos não clientes, a startup tenta ajudar com conteúdo gratuito, distribuído em ebooks e palestras online. Digitalizar o sistema educacional será um dos grandes legados da crise.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.