Quantos likes no Instagram vale esta obra?

Galerias, museus, artistas e colecionadores parecem não viver mais sem o Instagram

Um dos três sócios de uma das galerias de arte mais importantes do Brasil, a Fortes D’Aloia & Gabriel, o carioca Alexandre Gabriel está habituado a ser parabenizado pelas exposições que ajuda a promover. De uns tempos para cá, acostumou-se também a ouvir elogios que deságuam em diálogos que o deixam um tanto frustrado. Como este a seguir, travado há alguns meses. “Parabéns, a exposição do Ivens Machado está incrível”, exclamou um conhecido. Ao que o galerista respondeu: “Obrigado, mas você esteve na galeria? Não lembro de você lá”. “Não”, retrucou o outro. “Vi no Instagram.”

Para o bem e para o mal, a rede social interfere cada vez mais no dia a dia da galeria, a antiga Fortes Vilaça, que representa Adriana Varejão, Beatriz Milhazes e Ernesto Neto, entre outros artistas renomados. Com 41.200 seguidores, sua conta no Instagram é atualizada quase diariamente, não raro com diversas postagens, e mostram tanto as obras em exibição quanto os bastidores de exposições futuras e de participações em feiras, caso da Frieze londrina, concluída no dia 7 de outubro. 

Leilão da obra de Banksy na Sotheby de Londres, em outubro deste ano | Reuters

“É uma pena que as pessoas agora se contentem em ver arte pelo Instagram. Uma pintura ali não é uma pintura, só uma imagem dela. O brilho, as cores, tudo é diferente”, lamenta Gabriel. “Por outro lado, a ferramenta tem ampliado consideravelmente o alcance da galeria e começa a influir nas vendas.” Quantas tiveram origem em consultas feitas na invenção de Mike Krieger e Kevin Systrom, o galerista não revela. Mas confessa que até a partir de sua conta pessoal ele já fechou uma transação. “Postei uma foto de uma tela da Marina Rheingantz como quem não queria nada e logo recebi uma mensagem de um colecionador interessado”, conta, sem abrir valores.

Visitantes fotografam a instalação Aquarium, da brasileira Beatriz Milhazes, para a joalheria Cartier Legenda, na Art Dubai | Nikhil Monteiro/reuters

Um bom exemplo de como o Instagram se tornou peça-chave no mercado de arte foi a venda da pintura que Basquiat fez do boxeador Sugar Ray Robinson em 1982. Na condição de diretor internacional de arte contemporânea da casa de leilões Christie’s, em cujo acervo a obra se encontrava, o inglês Brett Gorvy postou uma foto dela em sua conta enquanto embarcava em um voo. Desembarcou com a mensagem de três colecionadores interessados. Um deles, não identificado, fechou o negócio dois dias depois, por estimados 24 milhões de dólares. Hoje à frente da galeria Lévy Gorvy e com 108 000 seguidores na rede social, o marchand declarou: “Do ponto de vista do comprador, foi uma aquisição feita pelo Instagram”.

Na mesma época, outra reputada casa de leilões, a Sotheby’s, bateu o martelo na venda de uma imagem da Virgem Maria feita com joias de prata e pérolas pelo ateliê do joalheiro russo Peter Carl Fabergé por 245.000 libras, dez vezes a estimativa inicial. O comprador a viu pela primeira vez na conta da Sotheby’s na rede, com 742.000 seguidores. Em 2015, noticiou-se que o ator Leonardo DiCaprio, que além de namoros também coleciona arte com afinco, arrematou uma tela de Jean–Pierre Roy após avistá-la na conta da galeria do pintor americano.

Para as instituições culturais, a ferramenta adquirida pelo Facebook em 2012 virou uma importante aliada na divulgação e na interação com o público. Com 270.000 seguidores, o Instituto Inhotim, em Minas Gerais, se esforça para responder à maioria dos comentários recebidos. A uma seguidora que reclamou que só “vendendo um rim” daria para pagar os 44 reais do ingresso, a instituição respondeu: “O Inhotim, atualmente, arrecada um valor total de bilheteria que consegue suprir somente 20% dos gastos”. E listou uma série de políticas inclusivas. “A comunicação pela rede social é uma forma ágil, ilustrativa e assertiva de comunicar”, avalia Adriana Krohling, coordenadora de comunicação da Pinacoteca do Estado de São Paulo. A conta do museu soma 177.000 seguidores e é alimentada basicamente com fotos tiradas por visitantes. 

Foi-se o tempo, portanto, em que os seguranças dos museus proibiam fotos diante de uma obra. Quando muito, vetam o uso do flash. Diversas instituições, no entanto, incentivam os visitantes a desgrudar o olho do smartphone. De acordo com um estudo publicado no jornal Empirical Studies of the Arts, o tempo médio gasto com a apreciação de uma obra em um museu é de míseros 27 segundos. Imagine com o Instagram.

Uma iniciativa para driblar esse imediatismo leva o nome de Slow Art Day. Posta em prática inicialmente no Museu de Arte Moderna nova-iorquino, propõe que durante um dia, sempre em abril, os visitantes elejam cinco obras e observem cada uma delas por no mínimo 10 minutos. De lá para cá, 700 instituições se aliaram ao movimento.

Já os artistas tendem a transformar a onipresença do Instagram em material de trabalho. A obra Illumination, do chinês Ai Weiwei, é um bom exemplo. Trata-se da desafiadora e debochada selfie que o artista tirou em 2009 quando era levado pela polícia chinesa para depor, dois anos antes de ser preso. De início destinada ao Instagram, ao que tudo indica, é um dos 70 trabalhos reunidos na mostra de Weiwei na Oca, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, em cartaz desde 20 de outubro. Vale ver a obra. De preferência, presencialmente. 


INSTAGRAM É MINHA ARTE

Três artistas que incorporaram a rede à sua produção

Foto: Daniel Lins/Fotoarena

Youmna Chlala

A obra da artista libanesa que faz parte da 33a Bienal de São Paulo, em cartaz até 9 de dezembro, vem a ser uma oca com almofadas onde o visitante se deita — e tira sua selfie.


Foto: Glow Images

Cindy Sherman

Em 2017, a fotógrafa americana, tida como a pioneira da selfie, abriu sua conta no Instagram para qualquer um ver e passou a postar fotos cada vez mais manipuladas, e um tanto surrealistas.


Foto: Divulgação

Richard Prince

Em 2015, o artista visual americano causou polêmica ao encher a galeria Gagosian, em Nova York, só com fotos retiradas do Instagram — e vendê-las por até 100 000 dólares.


EXAME VIP | Edição Ivan Padilla ivan.padilla@abril.com.br

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.