Cultura | História recuperada

Novos ângulos para histórias, eventos e fatos já contados, nas indicações da edição
M
Marcelo Orozco

Publicado em 18/07/2019 às 05:16.

Última atualização em 18/07/2019 às 15:18.

MÚSICA

Show perdido

As comemorações do 50o aniversário de Woodstock, em agosto, vão resgatar um elo perdido do festival de rock mais famoso da história: o show do Creedence Clearwater Revival. Na época, a banda da Califórnia estava em ascensão, mas seu som, que unia rock básico e soul music negra, não era muito apreciado pela comunidade hippie e a banda foi escalada para tocar numa madrugada fria. A performance foi boa e o registro completo finalmente será lançado, com clássicos como Born on the Bayou e Proud Mary. O azar é todo de quem dormiu naquela noite.

Live at WoodstockCreedence Clearwater Revival | Universal Music | DISPONÍVEL EM CD E STREAMING EM 2/8


LIVRO

Fenômeno esquecido

O passar dos anos dissipou o impacto que o trio Secos & Molhados teve no Brasil em 1973. Os rostos maquiados, o rock pop que agregava um ritmo português (O Vira, maior hit do grupo), uma melodia para um poema de Vinicius de Moraes (Rosa de Hiroshima) e a exótica voz aguda e quase feminina de Ney Matogrosso elevaram o S&M ao status de ídolo, culminando em mais LPs vendidos do que Roberto Carlos. Durou pouco, dois anos e dois álbuns. A saga, recuperada no recém-lançado Primavera dos Dentes, serve para refletir sobre como os sucessos se perdem no tempo.

Primavera nos Dentes: A História do Secos & MolhadosMiguel de Almeida | Três Estrelas | R$ 69,90


LIVRO

Corrida do ouro

A sensibilidade para captar significados complexos e documentar em preto e branco consagrou o fotógrafo mineiro Sebastião Salgado. Possivelmente, sua grande jornada foi o registro da corrida do ouro (sem um Charlie Chaplin para proporcionar algum alívio cômico) em Serra Pelada, no Pará, na década de 80. A possibilidade de enriquecer atraiu milhares de garimpeiros que, na esmagadora maioria, conviveram com pobreza e fracasso. Os cliques de Salgado estão reunidos agora em livro. Há uma edição especial com 1  000 exemplares autografados com preço de 4  500 reais cada um.

Sebastião Salgado: GoldSebastião Salgado | Taschen | R$ 270


FILME

Um leão real

A tentação de proporcionar um visual mais realista a um clássico desenho animado alcançou O Rei Leão, obra dos estúdios Disney que impactou mais de uma geração desde o lançamento nos cinemas em 1994 e seus desdobramentos, como um musical da Broadway. O diretor Jon Favreau abraçou a causa de realizar um Rei Leão que parecesse de verdade. E contou com um elenco robusto de dubladores, que inclui Donald Glover (conhecido como Childish Gambino em sua encarnação rapper) como o personagem-título, James Earl Jones e Beyoncé Knowles.

O Rei LeãoDireção de Jon Favreau | Com vozes de Donald Glover, Beyoncé Knowles | ESTREIA PREVISTA PARA 18/7