Devagar e sempre: o jeito argentino de chegar ao topo

O Mercado Livre tornou-se a empresa mais valiosa da América Latina olhando para o longo prazo, segundo Hernan Kazah, um dos fundadores

Há alguns anos era impensável que uma empresa de comércio eletrônico — ainda mais nascida em um país em crise, como a Argentina — pudesse superar gigantes como Petrobras, Vale e PDVSA e virar a companhia mais valiosa da América Latina. Mas foi o que aconteceu. Avaliado em 60 bilhões de dólares, o Mercado Livre tornou-se no início de agosto a empresa com o maior valor de mercado da região, 20 anos após a primeira captação de fundos. O argentino Hernan Kazah ajudou a fundar e a traçar a estratégia da companhia onde atuou por 12 anos. No início de setembro, ele participa do Fórum Liberdade e Democracia, cujo tema é pioneirismo. Hoje, Kazah é sócio da Kaszek Ventures, maior empresa de capital de risco da América Latina e, nesta entrevista, fala sobre a estratégia de sucesso do Mercado Livre — olhar para o longo prazo e apostar em tecnologia.

O Mercado Livre é hoje a empresa mais valiosa da América Latina. Nos Estados Unidos, as empresas mais valiosas também são de tecnologia. Você anteviu esse movimento?

Percebemos a grande oportunidade que havia no mundo da tecnologia, em particular com a internet. Eu estudava em Stanford, onde todo mundo falava em plano de negócios e na próxima grande companhia. Era evidente que grandes empresas emergiriam desse processo e que, sem dúvida, muitas surgiriam no Vale do Silício e em outras partes dos Estados Unidos. Também acreditávamos que era uma oportunidade global e que essa onda chegaria à América Latina. A penetração da internet era ainda muito baixa na época, com uma velocidade ridiculamente lenta, mas o processo aconteceria.

E aconteceu como foi imaginado?

A companhia acabou sendo muito maior do que imaginávamos no melhor dos cenários. Em 2000, fizemos uma rodada de 45 milhões de dólares, o que era algo maluco, porque pegamos esse dinheiro sem ainda gerar receita. Nossos concorrentes haviam captado mais do que nós, mas eles investiram muito rápido, num momento em que a penetração da internet na região era de 2% a 3%. Tomamos um caminho mais conservador em comparação a eles. Nossa estratégia era mais lógica, de longo prazo.

Essa visão de longo prazo é o que procura nas empresas em que investe hoje com a Kaszek Ventures?

Sem dúvida. A filosofia continua sendo a mesma, de longo prazo. Criar valor, e não capturar valor. Buscamos empresas que geram valor por meio da tecnologia porque acreditamos que essa seja a única maneira de criar valor no longo prazo, sustentável e defensável.

O que mudou nesse mercado desde seus tempos de Mercado Livre?

Três coisas mudaram. A primeira é que hoje temos usuários. Quando iniciamos, parte da motivação para ir devagar é que não fazia sentido ir rápido: era preciso esperar o desenvolvimento do mercado. Hoje há massa crítica em quase todos os mercados da América Latina — no Brasil, sem dúvida. A segunda é que, antes, o uso da internet era no computador, enquanto hoje é no celular. A conexão com o usuá-rio era de 4 a 8 horas por dia. Agora, são 24 horas por dia. O terceiro ponto é que hoje no mercado há histórias de sucesso e um ecossistema mais rico. É mais fácil para o empreendedor conseguir capital e alguém que acredite nele. No Mercado Livre, aproveitamos a janela da bolha [da internet], mas depois o mercado sumiu. Da metade do ano 2000 a 2006, a possibilidade de uma companhia obter financiamento era quase zero.

Como a pandemia de covid-19 impactou os investimentos?

Nossa visão é que aquilo que ia acontecer em 2030 ou 2035 não mudou. O que mudou foi a velocidade. Alguns setores que eram muito mais conservadores, como educação e saúde. Todos acreditavam que uma mudança ocorreria, que o futuro seria muito digital. Mas a realidade era que isso não acontecia. De um dia para o outro, escolas e universidades tiveram de ir para o remoto e viram que funciona. Na saúde é a mesma coisa. Falamos de telemedicina há dez anos e os médicos diziam que não era possível. Hoje todos estão fazendo isso.

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.