Comercial lá em casa

Três peças de Lázaro Ramos foram suspensas com a quarentena, mas um trabalho pôde ser concluído: uma campanha para o Doril

Lázaro Ramos estava em cartaz com O Método Grönholm, como ator e diretor, antes do fechamento dos teatros imposto pela disseminação do coronavírus.

O tema, um processo de seleção de quatro profissionais por uma vaga de emprego, não deixa de ter certa relação com a crise econômica que estamos vivendo em decorrência da pandemia. Essa não é a única peça dele interrompida. O monólogo Antes do Ano Que Vem, também dirigido por Lázaro, estrearia com Mariana Xavier.

E O Topo da Montanha, sobre a última noite de vida de Martin Luther King em um quarto de hotel, voltaria a entrar em cartaz em julho. Além disso, o filme Medida Provisória, sua estreia na direção de um longa e com sua mulher, Taís Araújo, no elenco, seria apresentado no festival South by Southwest em março. Mas um trabalho pôde, sim, ser concluído durante o isolamento: uma campanha para o Doril, filmado em sua própria casa com Taís. Confinamento tem dessas coisas.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.