Revista Exame

CEO do mundo

Roberto Funari, presidente da Alpargatas, moldou hábitos depois de morar em seis países de quatro continentes

A carreira de Roberto Funari é quase tão globalizada quanto as sandálias Havaianas (./Divulgação)

A carreira de Roberto Funari é quase tão globalizada quanto as sandálias Havaianas (./Divulgação)

Ivan Padilla

Ivan Padilla

Publicado em 27 de agosto de 2020 às 06h00.

Última atualização em 27 de agosto de 2020 às 10h14.

A carreira de Roberto Funari é quase tão globalizada quanto as sandálias Havaianas, que viraram um ícone brasileiro. Como executivo, Funari teve a oportunidade de morar com a mulher e os três filhos em cinco países de quatro continentes, ao longo de 18 anos. Na ordem, Holanda, África do Sul, Alemanha, Inglaterra, Singapura e novamente Inglaterra, além do Brasil. “Fui com minha família, sou casado e tenho três filhos já adultos, foi uma experiência incrível”, afirma.

Ele ingressou na Alpargatas em março de 2018 como conselheiro e em janeiro de 2019 passou a ocupar o cargo de CEO. Neste ano de pandemia, está conseguindo driblar a crise graças principalmente à boa performance do carro-chefe da empresa. A Havaianas responde por quase metade da receita líquida do grupo, que inclui ainda Osklen, Mizuno e Dupé. Se há algo que as pessoas usaram neste período de isolamento social, foi o chinelo.

(Arte/Exame)

Acompanhe tudo sobre:AlpargatasCasualCEOs

Mais de Revista Exame

Melhores do ESG: os destaques do ano em energia

Melhores do ESG: os destaques do ano em telecomunicações, tecnologia e mídia

ESG na essência

O "zap" mundo afora: empresa que automatiza mensagens em apps avança com aquisições fora do Brasil

Mais na Exame