A atuação das ONGs e os desafios para o terceiro setor no pós-pandemia

Presidente do Google.org, braço de filantropia do gigante de tecnologia, a americana Jacquelline Fuller explica por que acredita no terceiro setor
Jacquelline Fuller: americana é uma otimista quanto ao papel da filantropia para resolver problemas sociais causados pela pandemia (Divulgação)
Jacquelline Fuller: americana é uma otimista quanto ao papel da filantropia para resolver problemas sociais causados pela pandemia (Divulgação)
Leo Branco
Leo Branco

Publicado em 10/09/2020 às 06:06.

Última atualização em 11/02/2021 às 16:28.

A americana Jacquelline Fuller é uma otimista quanto ao papel da filantropia para resolver problemas sociais causados pela pandemia, como o fechamento de escolas e a falta de crédito para as pequenas e médias empresas.

Com mestrado em políticas públicas pela Universidade Harvard, nos Estados Unidos, Jacquelline é presidente global do Google.org, braço de filantropia do gigante de tecnologia com atuação espalhada pelo mundo.

No Brasil, desde o começo do ano o Google.org tem dado mentoria a empreendedoras mulheres numa parceria com a ONG Rede Mulher Empreendedora. Em outra frente, com a Fundação Lemann, a organização colaborou para digitalizar conteúdos de escolas públicas — e, assim, reduzir os percalços causados pelo fechamento das salas de aula.

Na entrevista a seguir, concedida de sua casa, em São Francisco, na Califórnia, Jacquelline explica por que vê potencial na filantropia feita no Brasil e quais serão os desafios para o terceiro setor num futuro pós-pandemia.

Nos últimos meses, muitas empresas no Brasil doaram recursos para o combate à covid-19. Ao mesmo tempo, há quem diga que a cultura de doação ainda é muito fraca no Brasil. Como estrangeira com experiência em filantropia, e com conhecimento de Brasil, a senhora concorda?

Quando se fala em doar algo, há a doação formal e a informal. Uma das coisas com que fiquei mais impressionada nas vezes em que estive no Brasil foi a solidariedade entre os brasileiros. É normal uma pessoa ajudar um familiar com algum recurso para terminar a faculdade, por exemplo. Ou então doar seu tempo para cuidar de um vizinho que esteja passando por uma situação difícil.

Eles podem nem chamar isso de filantropia, um conceito associado à doação de recursos financeiros a organizações não governamentais [ONGs], mas me parece que faz parte da cultura brasileira ajudar as pessoas ao redor, como entes queridos. Há uma economia informal da doação no Brasil que pode, ou não, se traduzir em doação de recursos financeiros a ONGs.

Como essa solidariedade pode ser escalada para, de fato, virar uma estratégia eficiente contra os problemas sociais do Brasil?

No escritório do Google no Brasil, perto de 30% dos funcionários estão envolvidos em alguma atividade voluntária. É um dos índices mais elevados de comprometimento com voluntariado entre os escritórios do Google espalhados pelo mundo. Por causa disso, estive no Brasil pelo menos duas vezes e o Google.org tem raízes profundas no país.

Nosso Desafio de Impacto [premiação em dinheiro a iniciativas do terceiro setor ao redor do mundo] já teve duas edições locais no Brasil. Durante a epidemia de zika vírus [em 2015], fizemos uma parceria com o Unicef [braço das Nações Unidas para políticas para a infância].

Os engenheiros do Google trabalharam com ONGs locais para criar ferramentas que ampliassem o alcance dos dados sobre como o vírus estava se espalhando. O espírito de solidariedade pode facilitar a articulação de redes de voluntários interessados em resolver um problema. Temos um histórico de fazer muitas parcerias de sucesso no Brasil.

De que maneira o Brasil pode elevar a cultura de doação de recursos à filantropia?

No Google, oferecemos um incentivo aos funcionários dispostos a financiar ONGs. Queremos encorajar quem tem uma causa ou uma instituição de caridade favorita a fazer isso com o dinheiro de seu salário. A cada dólar doado do dinheiro de seu salário, nós doamos 1 dólar até o limite de 10.000 dólares por ano.

Essa estrutura funciona no Google, mas como ampliar a cultura de doação de uma sociedade? Especialistas em filantropia recomendam ao Brasil adotar incentivos fiscais, como os que existem nos Estados Unidos. É o caminho?

Não necessariamente. Muitas vezes as pessoas querem doar, têm recursos disponíveis, mas não sabem a quem doar nem como fazer isso de uma maneira eficiente. Falta comunicação. No Google realmente acreditamos que alguns dos melhores trabalhos em andamento contra os desafios da humanidade são liderados por ONGs, que não raro estão trabalhando na obscuridade. Por essa razão, queremos dar visibilidade a elas.

Uma de nossas iniciativas, o Desafio de Impacto, serve para mobilizar nossa marca e nosso marketing para dar visibilidade aos vencedores para poderem contar suas histórias e inspirar outras. As pessoas estão dispostas a arregaçar as mangas, a ser ativas em suas comunidades.

Comunidade carente: a desigualdade de acesso ao mercado de trabalho vai aumentar com a pandemia (Dikran Junior/AP)

A pandemia vai mudar o papel da filantropia?

Para ser honesta, acho que ainda estamos todos nos olhando e perguntando “como a covid vai mudar o mundo?” ou então “por quanto tempo a pandemia ainda vai perdurar?” Em 2020, investimos 100 milhões de dólares em iniciativas para combater os efeitos da pandemia, uma quantia bem acima do previsto inicialmente neste ano. Esses problemas estarão no foco das atenções do Google.org pelo menos nos próximos dois anos.

A senhora mencionou que os efeitos da covid-19 serão sentidos por um longo tempo. Quais áreas de atuação da filantropia devem crescer nos próximos anos por causa dos desafios abertos com a pandemia?

Por causa da pandemia, há mais de 1 bilhão de estudantes fora das salas de aula pelo mundo. O Google, como empresa de tecnologia, tem algo a oferecer para resolver o problema. E, junto com a Fundação Lemann, estamos colocando tecnologias como Google for Education [plataforma de educação à distância] a serviço de governos do Brasil para oferecer conteúdo online a alunos afastados das salas de aula.

Estamos pensando no longo prazo em um ambiente de educação que possa democratizar o acesso à educação. É interessante, porque nosso trabalho em educação, mesmo antes da pandemia, era focado em ajudar professores a ensinar pela internet e a compartilhar coisas como os planos de aula pela internet.

Creio que criamos algo como 6.000 planos de aula, hoje disponíveis de graça na internet. Esse tipo de aprendizado compartilhado tornou-se ainda mais importante agora que estamos na pandemia, não só no Brasil mas globalmente.

A pandemia acelerou problemas sociais preexistentes?

Sim. Temos visto que muitos dos problemas anteriores à covid-19 estão sendo ampliados. Já víamos um descompasso cada vez maior no mercado de trabalho. Determinados grupos demográficos, como mulheres, afrodescendentes, integrantes da comunidade LGBTQ+, estavam marginalizados do mercado de trabalho em virtude da falta de acesso à qualificação.

Esse problema deve se acentuar agora. Por essa razão, mais do que nunca, há necessidade de garantir que esses grupos tenham treinamento e acesso a capital para, por exemplo, começar um negócio. Se não fizermos isso, as lacunas continuarão a aumentar.

Vai ser possível resolver essas lacunas só com filantropia?

Uma pergunta interessante a fazer neste momento é: como podemos aproveitar os desafios abertos pela pandemia de covid para fazer o impacto da filantropia chegar a mais pessoas — e multiplicar seus resultados? Um exemplo: até então uma pessoa desempregada ia até um centro de treinamento presencial para ajustar o currículo e receber treinamento em habilidades digitais, como aulas de informática, com uma pessoa ensinando às demais.

Agora, com a pandemia, estamos investindo em soluções virtuais com nossos parceiros em educação para facilitar o treinamento de habilidades digitais. Como a pandemia está forçando uma corrida para a digitalização de atividades até então feitas presencialmente, há espaço para as iniciativas da filantropia ganharem escala.

O papel de garantir oportunidades aos cidadãos historicamente ficou com o Estado. A filantropia vai ocupar o espaço dos governos?

A maior parte das políticas para a recuperação da economia global sairá dos governos. O mercado, por sua vez, vai ser o principal veículo por meio do qual as pessoas vão conseguir realizar sonhos, como construir uma carreira, ou acessar bens, como ter a própria moradia.

A filantropia pode combinar coisas do governo e dos mercados para encontrar saídas para desafios que nem um nem outro têm condições de fazer porque são mais lentos e conservadores no uso do dinheiro — e tendem a investir naquilo com resultados comprovados. A filantropia pode fornecer o capital de risco para ideias que podem ou não ter sucesso.

Alunos de escola do Senai: o desafio da formação para o mercado de trabalho vai ficar ainda maior no pós-pandemia (Michel Teo Sin/Exame)

Que tipo de ideia pode ser considerada de risco num momento desses?

Fala-se muito sobre os impactos da covid-19 na saúde e na educação, mas também há a devastação econômica resultante da necessidade de isolamento social. Negócios liderados por mulheres, pequenas e médias empresas foram desproporcionalmente atingidos pela devastação econômica que veio da pandemia.

Desde o começo do ano, estamos dando mentoria em gestão de negócios a mais de 50.000 mulheres donas de pequenas e médias empresas no Brasil, numa parceria com a ONG Rede Mulher Empreendedora. Equipes do Google têm dado coaching para ajudar essas empreendedoras a acessar linhas de capital melhores para a expansão de suas empresas. Nossa esperança é que, ao fornecer esses recursos, possamos alcançar mais de 6.000 pequenas e médias empresas.

Antes mesmo da pandemia, as grandes empresas de tecnologia dos Estados Unidos já eram alvo de críticas por causa de sua influência crescente nos governos. Nessa visão, os governos estão enfraquecidos diante de empresas de tecnologia com bolsos cheios de recursos — inclusive para financiar a filantropia —, o que com o tempo poderia, inclusive, minar a democracia. Como a senhora avalia essas críticas?

Os desafios de que estamos falando, como educar 1 bilhão de crianças fora das salas de aula por causa da covid-19, ou como usar a inteligência artificial para rastrear os passos da covid-19, ou mesmo como podemos ajudar na recuperação da economia mundial, tudo isso vai demandar um esforço de toda a sociedade. Queremos que a filantropia também esteja na mesa para fazer sua parte.

Queremos que nós, como indivíduos, possamos doar recursos ou nossos conhecimentos para fazer a sociedade funcionar. Além disso, é razoável esperar que as empresas venham à mesa e ajudem a contribuir para a sociedade local. Enxergamos nosso trabalho no Google.org como uma extensão de ser um bom cidadão.