• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Nilo: startup do médico da família 2.0 capta R$ 55 mi com SoftBank e GFC

A healthtech Nilo Saúde, que desenvolveu software para operadoras de saúde criarem braços de atendimento contínuo, concluiu série A nesta sexta-feira
Rodrigo Grossi, Victor Marcondes e Isadora Kimura, fundadores da Nilo: heathtech capta R$55 milhões (Divulgação/Nilo)
Rodrigo Grossi, Victor Marcondes e Isadora Kimura, fundadores da Nilo: heathtech capta R$55 milhões (Divulgação/Nilo)
Por Maria Clara DiasPublicado em 28/01/2022 14:00 | Última atualização em 28/01/2022 14:51Tempo de Leitura: 4 min de leitura

A Nilo Saúde endossa a teoria de que o segmento de saúde ainda é um prato cheio para investidores. A startup, uma healthtech dedicada a criar soluções digitais para empresas de saúde que desejam humanizar o atendimento digital a pacientes, acaba de concluir uma captação de 55 milhões de reais em uma rodada série A liderada pelos fundos SoftBank, GFC Global e Tau Ventures. Os fundos Maya Capital e Canary, antigos investidores da startup, também participaram da rodada.

Conheça o BTG+ business, uma plataforma pensada para reduzir a burocracia e ajudar na solução das adversidades para PMEs

A promessa da Nilo é revolucionar o trabalho dos “dinossauros” da saúde, das clínicas de saúde às tradicionais operadoras de convênios médicos. Para isso, a startup criou um software que permite a essas empresas o atendimento contínuo e individualizado de pacientes, em uma espécie de médico da família 2.0, só que com o diferencial tecnológico.

Com a plataforma white label (termo usado para definir tecnologias e produtos sem “marca d’água”, que podem ser facilmente adaptados pelas empresas usuárias) da Nilo, as companhias podem lançar planos de saúde digitais.

Na prática, o paciente final passa a ter acesso a um canal de WhatsApp no qual ele cria contato com uma equipe de cuidado. A partir da atenção primária daquele “médico de família”, a operadora de saúde pode ficar a cargo de criar todo um plano de cuidado para o paciente —  o que, além das indicações de consultas com especialistas, inclui lembretes de marcação de exames e remédios, prescrição médica e link para as teleconsultas.

Em outra frente, a Nilo também tem um time de médicos e enfermeiros e oferece o atendimento próprio, no caso de clientes que não possuem essa mão de obra em atendimento primário e especialistas.

Já para as empresas, a Nilo oferece ferramentas que auxiliam os profissionais no atendimento, na consulta de informações em um prontuário eletrônico único, entre outras ferramentas de gestão aliadas à saúde. “A proposta é unir o famoso CRM (software de gestão de relacionamento com o cliente) com a entrega de saúde e valor para os profissionais também”, diz o CEO, Victor Marcondes.

A percepção de que grandes empresas do setor careciam de recursos tecnológicos capazes de atender seus pacientes de forma mais direta veio dos três fundadores Rodrigo Grossi, Victor Marcondes e Isadora Kimura. Juntos, eles criaram a Nilo em 2020, pouco antes do início da pandemia e pouco tempo após abandonarem seus postos em empresas do setor — Grossi, por exemplo, é ex-diretor de tecnologia da Bionexo, recém-investida da Bain Capital.

Além da experiência no setor, os empreendedores compartilhavam o fato de terem enfrentado experiências pessoais na lida com doenças na família. “Percebemos o quão difícil é cuidar de pessoas em momentos de saúde delicada”, diz Marcondes. “Não existia, e ainda não existe nenhuma empresa que crie todo o arcabouço tecnológico para que as operadoras de saúde transformem consultas soltas em uma jornada de cuidado”.

É um cenário em expansão no Brasil. Startups como Alice, Klivo e Sami estão na dianteira no que tange a criação de soluções como planos de saúde com acompanhamento contínuo de times de saúde, prescrição de medicamentos e acompanhamento individualizado, na lógica de “um convênio para cada um”.

A proposta atrai investidores. Alice, por exemplo, especializada em gestão de saúde no modelo de resultados para o paciente,  também já chamou a atenção de fundos como o SoftBank. A rodada mais recente foi de 127 milhões de dólares, em dezembro de 2021.

A diferença para as competidoras, segundo Marcondes, está no público-alvo. Enquanto as healthtechs focam em planos de saúde para o consumidor final, a Nilo permite que qualquer player de saúde possa criar jornadas de atendimento de longo prazo e que olhem para o bem-estar do paciente.

"Permitirmos que qualquer empresa possa virar uma empresa de saúde digital”, diz. No rol de clientes da startup estão grandes instituições de saúde, rede de clínicas, e operadoras como o Grupo NotreDame Intermédica, Porto Seguro e a Leve Saúde.

O aporte vem em momento de crescimento para a empresa. A pandemia impulsionou os serviços da startup. Em 2020, a empresa tinha 15 funcionários, agora são 70. Nos próximos 18 meses, a intenção é quadruplicar o time, para 250 funcionários. “O foco está nas redes que querem melhorar a jornada de cuidado com os pacientes”, diz.

O foco agora está em engordar os times de tecnologia. A ideia é contratar desenvolvedores, programadores e especialistas em design. Com o novo capital, a Nilo também deve trazer melhorias tecnológicas em seu software.