Via Varejo e Cnova estão prontas para integração, diz presidente

Assembleia dos acionistas se reúne hoje para decidir sobre a união dos negócios do Grupo Pão de Açúcar

São Paulo - A integração entre a Cnova e a Via Varejo deve começar imediatamente após a aprovação dos acionistas, afirmou Peter Estermann, presidente da Via Varejo.

A assembleia dos acionistas se reúne hoje, 27, para decidir sobre a união dos negócios do Grupo Pão de Açúcar e as duas companhias estão prontas para iniciar a integração, disse ele em conferência com analistas após a divulgação de resultados do terceiro trimestre.

A união dos negócios de lojas físicas e comércio eletrônico das lojas Casas Bahia e Pontofrio foi anunciada em agosto desse ano. Para analistas, não fazia sentido manter as operações separadas e conservar estruturas duplicadas, como equipe, logística, marketing e estoque para as mesmas marcas.

Com a fusão, as duas empresas esperam sinergias anuais de R$ 245 milhões. A Via Varejo já traçou um cronograma e as principais estratégias para conseguir conquistar esses cortes de custos.

Entre os potenciais ganhos, a maior parte está na integração logística e de estoques, afirmou Estermann.

A integração já deve estar bem encaminhada em novembro, a tempo da Black Friday e Natal, afirmou o presidente. As duas datas promocionais são as mais importantes para o varejo, ainda mais para o segmento de eletrônicos e eletrodomésticos.

"Queremos entrar na Black Friday já trabalhando de forma integrada com o comércio eletrônico e está tudo caminhando para que isso ocorra", afirmou ele. A união pode gerar prazos mais acertados e cortes de custos para as entregas.

Outra forma de cortar custos com a união das duas operações é na parte administrativa, ou seja, que não afeta a operação das lojas. A empresa afirmou que, em algumas áreas, as equipes já foram unidas e já estão trabalhando juntas.

A integração de softwares e dos centros de distribuição também está na lista de sinergias esperadas. "Estou certo de que conseguiremos entregar 100% do valor das sinergias que divulgamos", disse o presidente.

Festas com descontos

A companhia está se preparando fortemente para as festas de fim de ano e a Black Friday.

Com R$ 1,33 bilhões de caixa líquido e recebíveis de cartões, a empresa ampliou o seu nível de estoques especialmente para a data. Ela afirmou que, por conta desse diferencial, conseguiu fechar compras mais oportunistas com seus fornecedores.

A sua estratégia será manter preços competitivos, de olho em ganhar mercado sobre os concorrentes. "Estamos otimistas com essas datas promocionais, apesar de sabermos que o mercado vai continuar bastante difícil", disse o presidente.

[galeria-abril id="2184457" type="list" showtitle="true"]

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.